ALL abre mão de ampliar trilhos

A América Latina Logística (ALL) sinalizou que vai abrir mão da concessão do trecho entre Rondonópolis e Cuiabá da Ferronorte para que outra empresa assuma a construção dos trilhos até a Capital. A informação é da Agencia Nacional do Transporte Terrestre (ANTT), que afirma que em 2 meses o processo de transferência de operação deve …

24/08/2010 22:37



A América Latina Logística (ALL) sinalizou que vai abrir mão da concessão do trecho entre Rondonópolis e Cuiabá da Ferronorte para que outra empresa assuma a construção dos trilhos até a Capital. A informação é da Agencia Nacional do Transporte Terrestre (ANTT), que afirma que em 2 meses o processo de transferência de operação deve ser concluído. O diretor-geral do Departamento Nacional de Infra-Estrutura de Transporte (Dnit), Luiz Antônio Pagot, disse nesta segunda-feira (23), durante a 67ª Semana Oficial da Engenharia, da Arquitetura e da Agronomia (Soeaa) que a ALL inclusive já havia assinado um acordo na semana passada, mas nem ANTT nem a ALL confirmaram a informação.

Segundo Pagot, a empresa que detém os direitos de construção e exploração da Ferronorte teria concordado de que outra empresa construísse e operasse o percurso e ainda autorizado o tráfego dos vagões sobre os trilhos a partir de Rondonópolis, que continuam sob sua posse.

O superintendente da ANTT, Noboru Ofugi, diz que as negociações caminham muito bem e que a ALL demonstra interesse em abrir mão do trecho, uma vez que não o considera viável. “Este mês, ou no mais tardar no mês que vem, teremos este processo encerrado e daremos início aos projetos para que outra empresa assuma a construção”.

Luiz Antônio Pagot disse durante um entrevista a jornalistas, após sua apresentação na Soeaa, que os documentos estariam assinados. “Além de conceder a execução da obra e a exploração, a ALL também deu o direito de passagem sobre seus trilhos para que os vagões de Cuiabá cheguem aos portos de Santos (SP) e Paranaguá (PR)”.

O presidente do Fórum Pró-Ferronorte, Francisco Vuolo, diz que a entidade não foi comunicada oficialmente e por isso não iria se pronunciar. Porém, Vuolo confirma que, se verdade, a liberação contempla às reivindicações do grupo que pleiteava a saída da ALL ou inserção de prazos no contrato com a empresa para conclusão do trajeto entre Rondonópolis e Cuiabá. “Se confirmado, será motivo de alegria e comemoração, até porque além da construção, está autorizada a transição pelos trilhos”, diz ao comentar que a partir de agora a luta é para a inclusão do transporte de passageiros pela Ferronorte para uma integração social.

Para o presidente em exercício da Federação Mato-Grossense da Indústrias (Fiemt), Jandir Milan, a ferrovia em Cuiabá garantiria a entrada dos produtos fabricados no Estado nos mercados das regiões Sul e Sudeste. A ALL foi procurada, mas não retornou às ligações até o fechamento da edição.

Conexão – O diretor-geral do Dnit revela que a construção da ferrovia até Cuiabá é um primeira passo para a possível integração da baixada cuiabana com o médio norte do Estado. Segundo Pagot, com o traçado até Cuiabá, facilita a integração da Ferronorte com a Ferrovia Centro-Oeste, que parte de Goiás, passa por Lucas do Rio Verde, em Mato Grosso, e chega à Rondônia