Antero: “Briga com Campos é coisa do século passado”

O candidato ao Senado pela coligação “Senador Jonas Pinheiro”, Antero Paes de Barros (PSDB), negou hoje (24) que tenha algum “ruído” (desentendimento)na aliança com o Democratas (antigo PFL), do qual os tucanos eram adversários históricos em Mato Grosso. Ele alegou que “sempre” defendeu a aliança com a Família Campos. Nas eleições para Governo, em 1998, …

24/08/2010 18:32



O candidato ao Senado pela coligação “Senador Jonas Pinheiro”, Antero Paes de Barros (PSDB), negou hoje (24) que tenha algum “ruído” (desentendimento)na aliança com o Democratas (antigo PFL), do qual os tucanos eram adversários históricos em Mato Grosso. Ele alegou que “sempre” defendeu a aliança com a Família Campos.

Nas eleições para Governo, em 1998, o ex-conselheiro do Tribunal de Contas do Estado, Júlio Campos (DEM), enfrentou o tucano Dante de Oliveira (PSDB), que saiu vitorioso. Na época, foram muitos ataques e, 12 anos depois, democratas e tucanos sobem no mesmo palanque, com a candidatura de Wilson Santos (PSDB), que tem como vice o democrata Dilceu Dal’Bosco (DEM).

Segundo Antero, as divergências “são coisas do século passado”. Segundo ele, desde aquela época, já defendia a coligação, inclusive, no Senado, votando projetos juntamente com o Jonas Pinheiro (falecido em 2007).

“As pessoas fazem questão de ter uma memória muito fraca, pois, há 12 anos, venho defendendo essa aliança. No tempo em que fui senador, votei com o PFL (hoje DEM). Foram oito anos votando ao lado do meu amigo Jonas Pinheiro. Então, essa aliança existe há muito tempo e, agora, se consolidou, não tendo nenhum ruído”, afirmou Antero, em entrevista ao telejornal “Bom Dia, Mato Grosso”, da TV Centro América (Globo/4).

O tucano destacou ainda que já tem o apoio do senador Jaime Campos (DEM) para a criação de uma Secretaria Nacional dos Aposentados, caso se eleja senador.

Candidatura

De outro lado, Antero afirmou que, num primeiro momento, tinha interesse em disputar uma cadeira na Assembleia Legislativa, mas mudou de ideia em função dos “acontecimentos nacionais”.

“Tinha colocado meu nome para disputar uma vaga de deputado, mas mudei de ideia, pois entendo que é a hora de tentar voltar ao Senado, para colocar mais uma voz em defesa das garantias fundamentais da população”, disse.

Na entrevista, o tucano apresentou algumas propostas de campanha, citando o combate à corrupção, com leis mais severas e julgamentos de processos mais céleres; combate a sonegação de impostos com mais rigor nas fiscalizações; a redução da maioridade penal, segundo ele, visando a impedir que os jovens sejam usados como “escudos” de bandidos; e reforma no sistema previdenciário.

Além do fortalecimento da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) e criação de um campus da Universidade Estadual de Mato Grosso (Unemat) no bairro CPA, em Cuiabá, e um no Cristo Rei, em Várzea Grande, auxiliando na viabilização de recursos.

Sabesp

Antero disse que se desligou da Companhia de Saneamento Básico de São Paulo (Sabesp), onde atuava como conselheiro administrativo. Questionado sobre o fato de ter um cargo público em outro Estado, o tucano disse que não vê estranheza e que tem orgulho de ter recebido o convite por parte do Governo de São Paulo. “A experiência serviu de orgulho”, disse.

Sobre uma suposta negociação da venda a Companhia de Saneamento de Cuiabá (Sanecap) para Sabesp, Antero negou e destacou que as reuniões das quais participava, mensalmente, estão todas registradas em ata.