Pinheiro atropela Deucimar e será homologado hoje

O vereador Júlio Pinheiro (PTB), que encabeça a chapa de oposição à atual gestão na Câmara Municipal de Cuiabá, deve ser eleito futuro presidente  nesta quarta-feira (1º). Praticamente  sem adversários, o petebista prevê a vitória com 13 dos 19 votos. Após ser “atropelada”, a situação, sob o comando do vereador Deucimar Silva (PP), cuja gestão …

01/09/2010 16:46



O vereador Júlio Pinheiro (PTB), que encabeça a chapa de oposição à atual gestão na Câmara Municipal de Cuiabá, deve ser eleito futuro presidente  nesta quarta-feira (1º). Praticamente  sem adversários, o petebista prevê a vitória com 13 dos 19 votos.

Após ser “atropelada”, a situação, sob o comando do vereador Deucimar Silva (PP), cuja gestão no comando do Legislativo é marcada por sucessivos escândalos, ficou isolada e sem forças para articular, sequer, uma nova chapa. O grupo deve se abster da votação, hoje à tarde.

Júlio Pinheiro, que representa a oposição, praticamente será homologado. Sua eleição deveria ter ocorrido no último dia 25, mas, antevendo a derrota do seu grupo, Deucimar Silva manobrou, ao encerrar a sessão extraordinária daquele dia, intempestivamente. O progressista lançou uma chapa encabeçada pelo vereador Adevair Cabral (PDT).

Na tentativa de manter uma certa “lealdade” ao grupo que se esfacelou pela inconsistência e pela falta de pulso de Deucimar e do seu candidato, seis vereadores que restaram no bloco da situação irão se abster da votação. Esse grupo é formado por Francisco Vuolo (PR), Everton Pop (PP), Adevair Cabral, Chico 2000 (PP), Lúdio Cabral (PT) e o próprio Deucimar.

Mesmo tendo número regimental para formar uma chapa – cinco vereadores -, o projeto ficou inviabilizado, já que nenhum dos seis nomes aceitou se colocar na disputa.

Na verdade, já haveria um consenso de que a derrota desse grupo é irreversível e ninguém admite que uma nova manobra ocorra, adiando o pleito. Everton Pop ensaiou uma candidatura, mas refluiu da idéia, ao constatar que seria difícil articular uma aliança em torno do seu nome.

Blefe de Deucimar

Na quarta-feira passa, a eleição foi suspensa por uma manobra do atual presidente, que alegou uma suposta denúncia de compra de voto de vereadores para o grupo de oposição. Até o momento, Deucimar não apresentou provas sobre as acusações, fato que passou a ser considerado como um “blefe”.

O caso deve parar na Justiça. Nesta semana, o Ministério Público Estadual (MPE), por meio da Promotoria de Justiça de Defesa do Patrimônio Público de Cuiabá, requisitou de Deucimar cópias das imagens gravadas, que ele disse possuir, de quatro vereadores recebendo dinheiro em troca de apoio, no processo de eleição da nova Mesa Diretora do Legislativo.

O grupo de Júlio Pinheiro, que já conta com 13 vereadores, vem se reunindo durante a semana, pelo menos, por quatro horas diárias.

A chapa do petebista não deve apresentar modificações. Os demais candidatos são: Arnaldo Penha (PMDB), 1º vice-presidente; Antônio Fernandes (PSDB), 2º vice-presidente; Lueci Ramos (PSDB), 1ª secretária; e Néviton Fagundes (PRTB), 2º secretário.

Ainda estão no grupo de oposição: Clovito Hugueney (PTB), Paulo Borges (PSDB), Edivá Alves (PSDB), Juca do Guaraná (PP), Pastor Washington (PRP), Domingos Sávio (PMDB), Toninho de Souza (PDT) e Totó César (PRTB). Os dois últimos estavam no grupo de Adevair e aderiram a Pinheiro.

Esse grupo deve se reunir ainda hoje e chegar em bloco para a votação, que começará às 17 horas, no Plenário da Câmara Municipal