casa com grama no telhado aposentaria ar-condicionado

Você moraria em uma casa com um gramado no telhado? Pois esse é um dos itens que permitem conforto térmico no interior de uma residência garantindo temperaturas agradáveis sem o acionamento de aparelho de ar-condicionado ou aquecedor elétrico. Mesmo quando fora da residência faz muito calor ou frio rigoroso, a gramínea vai agir como uma …

06/09/2010 09:11



Você moraria em uma casa com um gramado no telhado? Pois esse é um dos itens que permitem conforto térmico no interior de uma residência garantindo temperaturas agradáveis sem o acionamento de aparelho de ar-condicionado ou aquecedor elétrico. Mesmo quando fora da residência faz muito calor ou frio rigoroso, a gramínea vai agir como uma manta protetora proporcionando um ambiente interno mais aconchegante e termoacústico.

Essas são as promessas da casa sustentável com telhado verde que ficou em exposição na Lagoa do Taquaral, em Campinas, durante o Sustentar 2010, um evento de discussões, debates e exposições com experiências e técnicas voltadas à sustentabilidade e meio ambiente.

“As residências convencionais podem incorporar a grama no telhado. Bastam algumas adaptações para o revestimento de uma camada de terra e colocar as bandejas de grama no todo ou em parte do telhado”, contou a arquiteta Renata Marangoni, coordenadora do projeto. Para a execução do trabalho ela foi buscar o auxilio de um grupo de alunos e formandos da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo (FAU) da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) que já pesquisam técnicas de moradias sustentáveis.

“O grande desafio foi aplicar o exercício de mercado e academia, ou seja o que temos a mão e o que está em estudo nas universidades”, disse. Porém, para otimizar o beneficio de um gramado em cima da casa faz-se necessário distribuir a localização de janelas e portas de forma que torne mais eficiente a circulação de vento e luz do sol.

Madeira e vidro
O sistema construtivo é suspenso. “A edificação troca o calor com a terra também. O paisagismo externo também é importante para criar um resfriamento local. Evita-se o cimentado ao redor”, disse ela. A área total de construção é de 65m² e é funcional para duas pessoas.

Um deck elevado acessa uma sala de estar integrada a cozinha. “Há a troca de calor com o solo também”, conta ela. O dormitório, com saída para uma varanda, reserva uma área para trabalho.

A estrutura é de madeira de reflorestamento, assim como os móveis da instalação. As portas e janelas são de vidro com alguns encaixes metálicos. O isolamento das paredes é com manta de lã de vidro e em algumas extensões recoberta de madeira. A iluminação é de LED com feixe de luz direcionado, além de a residência ter aproveitamento da luz natural das janelas. O teto acompanha o caimento do telhado com peitoril de 1,84 m. A casa dispõe de um reservatório para reaproveitar água da chuva e reuso da água do banho.

Na construção apresentada, uma parte da cobertura é com telhado verde e o restante é uma sobreposição de resíduo de petróleo de manta asfáltica. A energia elétrica consumida dentro da casa é limpa, pois é produzida por fontes naturais autorrenováveis, incluindo a energia eólica produzida pelo vento e a fotovoltaica captada por painéis solares que convertem os raios de sol em eletricidade.

O painel de aquecimento solar está sobre a casa e o sistema de hélices pequenas em uma torre fica a poucos metros. O sistema gera 500 watts por dia. O consumo das luminárias internas e um poste externo de LED gastam em torno de 250 a 240 watts/dia.

O banheiro foi remodelado para a redução do consumo de água do banho e das descargas do vaso sanitário. O chuveiro, com água aquecida pelo sistema solar, tem dois dutos: um para fornecer e outro para guardar a água para o reuso. O vaso com caixa acoplada dispõe de dois acionamentos: um curto e outro para maior demanda de água.

Retorno do investimento
Segundo Renata, o custo de construção, sem os cálculos dos acessórios de fonte limpa de energia, é similar as demais moradias e estão em torno de R$ 1,2 mil e R$ 1,4 mil o metro quadrado. “A vantagem é que o valor investido na casa se paga ao longo do tempo de uso, com a economia que se faz com consumo de energia elétrica e consumo de água”.

“A ideia é aplicar a tecnologia já existente em um projeto novo, escolhendo materiais sustentáveis, aplicando o reaproveitamento de água, de fontes de calor, de vento, de forma eficiente”, disse o aluno do 6º ano da FAU-Unicamp, Daniel Turczyn, 25 anos, um dos integrante do grupo que agilizou a execução da casa. A residência em exposição foi desenhada para abrigar um casal. “Mas pode ter uma planta ampliada com mais instalações”, contou.

Segundo o estudante, todos os elementos contidos ali podem ser aplicados ou adaptados em residências convencionais. A execução da planta de 65 m² levou 20 dias e teve como parceiros empresas da construção civil, indústrias que buscam técnicas de utilização de materiais passíveis das condições e dos recursos naturais e de consultores de produtos sustentáveis.