Aparelhos estão em falta

Dois meses após o término da Copa do Mundo da África, os conversores digitais para televisores continuam em falta no mercado cuiabano. E o produto não tem previsão de voltar às prateleiras. A justificativa é de que a indústria não está mais fabricando conversores em escala suficiente para suprir à demanda. Em razão da escassez, …

09/09/2010 09:55



Dois meses após o término da Copa do Mundo da África, os conversores digitais para televisores continuam em falta no mercado cuiabano. E o produto não tem previsão de voltar às prateleiras. A justificativa é de que a indústria não está mais fabricando conversores em escala suficiente para suprir à demanda. Em razão da escassez, houve aparelho da Toshiba, custando até R$ 799, em uma rede varejista da Capital, há cerca de 40 dias.

Segundo os lojistas, outro motivo para a falta do produto é que a tecnologia dos conversores está se tornando cada vez mais obsoleta. “As indústrias estão preferindo investir nas TVs de LCD/Plasma e LED que vêm com conversor digital embutido e que já estão invadindo o mercado”, explicam.

Em Cuiabá, as filiais das redes Ponto Frio e Novo Mundo estão com estoques zerados, desde o mês passado. Nas lojas do Ponto Certo e outras redes a situação se repete. “Só temos conversor para TV tubo, tela plana normal. Para TV de LCD, estamos com o produto em falta desde agosto”, conta o gerente Ed Carlos Cruz. Segundo ele, a loja tem conversor para aparelho exclusivo da marca Sony, que custa R$ 399. “A procura continua, mas já foi maior durante o período da Copa”, diz.

As lojas da rede Ponto Frio também estão sem os conversores desde o mês passado. “Não temos previsão de quando o produto irá chegar às nossas lojas”, afirmou um vendedor.

A City Lar é uma das poucas redes que ainda conta com conversor em estoque. “Chegamos a ficar em falta durante o período da Copa”, afirma o vendedor Cléberson Leonardo. A loja contava ontem com aparelhos da marca Century com entrada para HDMI (transmissão de imagem e áudio em alta definição), que está custando R$ 335. Durante a Copa esteve em promoção por R$ 279.

Nas lojas do Novo Mundo, não existe estoque disponível. “Antes mesmo da Copa já estávamos sem conversores para venda. Fizemos pedido, mas ainda não recebemos”, conta um vendedor.

Atualmente, boa parte dos aparelhos não traz o receptor necessário para receber o sinal digital, o que significa que mesmo quem comprar agora uma televisão deste tipo precisará de um conversor que permitirá a qualquer um que tenha um aparelho de TV analógico assistir à TV Digital.

“A vantagem do comprar um aparelho de TV de alta definição é que ela será capaz de exibir as imagens recebidas pelo conversor em todo o seu potencial de qualidade quando a transmissão estiver disponível, ao contrário das analógicas, que poderão receber as imagens (via conversor), porém, terão a qualidade limitada à resolução do aparelho”, explica o vendedor Lauro da Silva.

ALTA DEFINIÇÃO – A TV digital significa melhor qualidade de imagem e som, e a possibilidade de abertura de novos canais, além de regulação dos conteúdos para televisão e suportes móveis, como celulares. Permite, ainda, maior interação do telespectador com a programação da emissora.

Segundo o Ministério das Comunicações, a estimativa é que o país tenha de 60 a 80 milhões de televisores que vão precisar do conversor digital nos próximos anos.

O objetivo é que o equipamento a preços mais acessíveis comece a ser vendido no mercado entre março e abril de 2011. O sistema nipo-brasileiro de TV digital deverá cobrir todo o território nacional até 2013. E as transmissões do sinal digital serão intensificadas com o evento da Olimpíada, em 2016.

PREÇOS – Os televisores com conversores embutidos que há cerca de um ano custavam mais de R$ 2 mil, sofreram baixas nos preços desde o início do segundo trimestre deste ano, e atualmente, monitores de 32 polegadas, por exemplo, com conversor são encontrados por menos de R$ 1,5 mil.