Ordem judicial “desmonta” a TV da Família Henry

A TV Descalvados, afiliada ao Sistema Brasileiro do Televisão (SBT), em Cáceres (225 km a Oeste de Cuiabá), está sendo desmontada, desde o começo da manhã desta terça-feira (14), por determinação da juíza Lamisse Roder Feguri. A emissora pertence à Família Henry, do ex-prefeito Ricardo Henry e do deputado federal Pedro Henry, ambos do PP. …

14/09/2010 15:52



A TV Descalvados, afiliada ao Sistema Brasileiro do Televisão (SBT), em Cáceres (225 km a Oeste de Cuiabá), está sendo desmontada, desde o começo da manhã desta terça-feira (14), por determinação da juíza Lamisse Roder Feguri.

A emissora pertence à Família Henry, do ex-prefeito Ricardo Henry e do deputado federal Pedro Henry, ambos do PP. O primeiro teve o mandato cassado; o segundo teve a candidatura à reeleição barrada pela Justiça Eleitoral.

A determinação teve que ser expedida após um oficial de Justiça, acompanhado de policiais militares, tentar cumprir, pela manhã, um mandado de recolhimento de equipamentos. A TV estava trancada e a porta teve que ser arrombada.

A medida faz parte de um processo em que Gisele Fontes, esposa do prefeito Túlio Fontes (DEM), pediu indenizado e ganhou o direito de recebê-la, após ser chamada, várias vezes, de “ladra”, em 2001, pelo apresentador Edmilson Campos, no programa “Aqui Agora”, da emissora.

De acordo com o advogado de Gisele, José Renato de Oliveira, a primeira-dama e o prefeito foram atacados “de forma violenta e pessoal” por pelo menos um mês, na TV Descalvados. À época, Gisele era secretária municipal de Assistência Social.

“Sem nenhuma prova, ele [apresentador Edmilson Campos] acusava Gisels de ladra, todos os dias, em seu programa. Foi aberto um processo administrativo, e nada foi provado”, observou o advogado.

Mandato cassado e prisão

Além do processo administrativo, Edmilson Campos, que era vereador, foi processado criminalmente e condenado a seis anos de prisão. O apresentador recorreu ao Superior Tribunal Federal (STF) e cumpriu pena domiciliar de seis meses. O mandato na Câmara Municipal foi perdido.

O STF também determinou que, como forma de indenização, todos os equipamentos e veículos da emissora fossem levados a leilão, após o julgamento da impugnação apresentada pelos advogados dos acusados.

Porém, segundo José Renato, o que foi penhorado não pagava a dívida, que em 2001 era de R$ 100 mil e, hoje, devido multas e honorários, já está em R$ 500 mil.

Apesar do recolhimento dos equipamentos da TV Descalvados, que são avaliados em aproximadamente R$ 200 mil, a dívida ainda não estará paga. De acordo com José Renato, caso a TV seja montada novamente, uma nova apreensão de equipamentos será feita, até que o valor seja pago.

Outro lado

O ex-prefeito Ricardo Henry não foi localizado para falar sobre o caso.