Pouca chuva compromete os cajueiros

Este ano, a produção de caju do nordeste deve ser menor que a do ano passado. Vamos ver a situação nos dois principais estados produtores. O Ceará é o maior produtor de caju do país. Ao todo são 330 mil hectares distribuídos em 40 municípios. Este ano, o tempo não ajudou. A expectativa dos produtores …

28/09/2010 09:20



Este ano, a produção de caju do nordeste deve ser menor que a do ano passado. Vamos ver a situação nos dois principais estados produtores.

O Ceará é o maior produtor de caju do país. Ao todo são 330 mil hectares distribuídos em 40 municípios. Este ano, o tempo não ajudou. A expectativa dos produtores é colher aproximadamente 90 mil toneladas de castanhas. 40% a menos do que na safra do ano passado.

As flores não se desenvolveram bem porque choveu pouco nos meses de março a junho. Situação que também provocou atraso na colheita. E não foi só a seca que atrapalhou a produção. Os ventos fortes, tão comuns nesta época do ano, também foram prejudiciais à safra.

Com o vento, as flores caem facilmente no chão. Sr. João Braga é um pequeno produtor que tem cinco hectares e meio de cajueiros, entre comuns e precoces. “No ano passado aqui foi bom, deu 11.800 quilos. Esse ano eu acredito que não chegue a sete”, diz o produtor.

Depois da colheita, os frutos são escolhidos e separados da castanha, que é o produto de maior valor. Este ano, os produtores estão recebendo R$ 1,00 pelo quilo da castanha in natura. R$ 0,20 a menos do que no ano passado.

O Piauí tem 180 mil hectares plantados com cajueiros e é o segundo produtor nacional. A safra de castanha estimada para 2010 é de 67 mil toneladas. Mas a escassez de chuva atrasou a colheita e pode comprometer até 60% da produção.

“A nossa última chuva que foi no mês de março, já estamos seis meses sem chuva”, conta o agricultor, Luis Eduardo Rodrigues.

Sr. Francisco Rodrigues tem 200 hectares e perdeu grande parte da safra. “No ano passado, na propriedade, colhíamos em média 150 caixas por dia durante a semana. Esse ano, a gente está colhendo duas vezes por semana, em média, umas 40 caixas”.

A queda na safra já atinge a indústria da Cooperativa dos Produtores do Piauí. Para não paralisar a produção a cooperativa pretende comprar castanha de outros estados.

“A gente fica muito angustiado porque o Piauí é referência em exportação de castanha para outros Estados e agora a situação se inverte. Nós estamos agora na situação de precisar buscar estoque em outros Estados para que a nossa indústria não venha a parar”, diz o diretor da cooperativa, Jocibel Bezerra.

Juntos, o Ceará e o Piauí produzem 75% da safra brasileira de castanha de caju. Os outros Estados do nordeste são responsáveis pelos outros 25%.