Mulheres brancas são as que bebem mais, diz pesquisa

Uma análise do UT Southwestern Medical Center concluiu que o número de pessoas que exageram no álcool atualmente é muito do maior do que há 20 anos, principalmente entre as mulheres caucasianas (brancas). Os motivos para esse aumento do consumo vão desde pressão social até fatores sociais, econômicos e mesmo étnicos, segundo os pesquisadores. A …

01/10/2010 09:25



Uma análise do UT Southwestern Medical Center concluiu que o número de pessoas que exageram no álcool atualmente é muito do maior do que há 20 anos, principalmente entre as mulheres caucasianas (brancas). Os motivos para esse aumento do consumo vão desde pressão social até fatores sociais, econômicos e mesmo étnicos, segundo os pesquisadores.

A pesquisa analisou 85 mil pessoas, entre os anos de 1992 e 2002, divididas em três grupos étnicos: brancos, latinos e negros. Como resultado, constatou-se que o consumo de álcool passou a ser bem mais frequente nesta década do que na anterior em todos os grupos.

As mulheres brancas mostraram-se mais suscetíveis do que as negras e latinas a tomar mais de cinco doses por dia ou beber ao ponto de se embriagar.

A pesquisa também identificou que padrões socioeconômicos podem influenciar na quantidade de bebida consumida. Segundo o médico Raul Caetano, autor da pesquisa, homens com menos de 60 anos e sem curso superior estão mais sujeitos a consumir mais doses de álcool por mês, assim como os desempregados e os separados.

Os dados foram coletados por meio de questionários entre maiores de 18 anos, considerando a proporção do consumo entre homens e mulheres nos três grupos étnicos.

– O resultado nos sugere que a variedade de políticas públicas de saúde relacionadas ao controle do consumo de álcool, incluindo multas e tratamentos, são necessárias para reduzir os problemas relacionados ao abuso de álcool.