Homem das cavernas tinha sentimentos, diz estudo

Através de evidências arqueológicas, o pesquisadores examinaram primeiro o modo como as emoções emergiram em nossos antepassado seis milhões de anos atrás, quando o ancestral comum dos homens e dos chipanzés vivenciou o despertar dos primeiros sentimentos. Eram eles empatia em relação a outros animais e motivação para ajudá-los, ilustrados por gestos como, por exemplo, …

11/10/2010 10:51



Através de evidências arqueológicas, o pesquisadores examinaram primeiro o modo como as emoções emergiram em nossos antepassado seis milhões de anos atrás, quando o ancestral comum dos homens e dos chipanzés vivenciou o despertar dos primeiros sentimentos. Eram eles empatia em relação a outros animais e motivação para ajudá-los, ilustrados por gestos como, por exemplo, mover um galho para que passassem.

Depois, cerca de 1,8 milhão de anos atrás, o Homo erectus integrou o sentimento de compaixão com o pensamento racional através de ações como cuidar dos doentes e dedicar atenção especial aos mortos, demonstrando luto e desejo de suavizar o sofrimento alheio.

Entre 500 mil e 40 mil anos atrás, o sentimento evoluiu e os primeiros seres humanos, como o Homo heidelbergensis e o Neanderthal, já demonstravam compromisso com o bem-estar dos outros, o que pode ser comprovado através de uma adolescência longa e a dependência em caçar juntos.

Algumas evidências que reforçam a tese são os restos de uma criança com anormalidade cerebral que não foi abandonada e viveu até os 5 ou 6 anos de idade, e de um indivíduo com um braço atrofiado, pés deformados e cegueira em um olho que viveu por 20 anos.

De 120 mil anos atrá pra cá, a compaixão dos seres humanos foi estendida para estranhos, animais, objetos e conceitos abstratos, segundo a pesquisa.