Em debate, Dilma e Serra escapam de perguntas um do outro

Durante o primeiro bloco do debate entre os candidatos à presidência da República, realizado pela RedeTV no domingo (17), Dilma Rousseff (PT) e José Serra (PSDB) voltaram aos discursos prontos e evitaram as perguntas feitas tanto pelo mediador, Kennedy Alencar, quanto de um ao outro. A primeira pergunta, feita por Alencar, pedia para os candidatos …

18/10/2010 10:08



Durante o primeiro bloco do debate entre os candidatos à presidência da República, realizado pela RedeTV no domingo (17), Dilma Rousseff (PT) e José Serra (PSDB) voltaram aos discursos prontos e evitaram as perguntas feitas tanto pelo mediador, Kennedy Alencar, quanto de um ao outro.

A primeira pergunta, feita por Alencar, pedia para os candidatos ressaltarem a principal qualidade e defeito de seu adversário. Serra respondeu justificando não se sentir a vontade em apontar defeitos: “qualidades e defeitos dos candidatos devem ser objetos de análise da nossa população ao longo da campanha”. Dilma disse esperar que o debate deixe mais claro essas características. “Eu acredito que esse é um debate justamente para apontar as qualidades e os defeitos políticos dos dois candidatos”.

Na sequência, o candidato tucano perguntou a Dilma sobre os recursos do Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT), e a candidata respondeu falando sobre os projetos petistas de escolas técnicas. “Nos últimos cem anos, foi construída uma quantidade de escolas técnicas inferior ao que nós criamos”. A petista criticou o governo FHC por conta do investimento nas escolas técnicas. “Eu acredito que a escola técnica é fundamental”, disse. Serra afirmou que Dilma não respondeu à questão dos cursos profissionalizantes: “no governo dela isso encolheu, foi deixado de lado”, disse o tucano. E completou: “o assunto de escola técnica faz fantasia, os números são virtuais”.

Na vez de Dilma perguntar, seu questionamento foi sobre a questão da privatização no Brasil, sobre a venda da empresa Gas Brasiliano para a Petrobras. Em seu tempo de resposta, Serra continuou o assunto dos cursos profissionalizantes, o que para a petista indicou que o tucano não quis responder sua pergunta e continuou: “A Petrobras pôde comprar (a Gas Boliviano) e apresentou um preço superior a de duas empresas privadas e ganhou o processo da Gas Boliviano. Todos os órgãos aprovaram essa venda. Agora, eu soube que o governo do Estado de SP entrou no CAD contra a venda da Petrobras. Não entendo, porque o preço era maior”, afirmou.

Serra disse que o governo do Estado de São Paulo respeita as agências reguladoras, “diferentemente do governo federal”. O ex-governador paulista disse que viu com agrado os avanços do Petrobras. “Em todo o caso, a campanha da candidata na televisão mente o tempo inteiro em relação às minhas posições quanto a Petrobras”, afirmou. O candidato acrescentou ainda que o governo Lula fez mais concessões a empresas privadas que o governo FHC.