Vereador começa a receber provas sobre a atuação da “máfia da seca”

O vereador por Cuiabá Toninho de Souza (PDT) está conseguindo seguir algumas pegadas que podem chegar nos cabeças da chamada máfia da seca. São supostamente pessoas que atuam dentro da Sanecap em conexão com manobristas e com donos de caminhões-pipas, que deixam com sede milhares de consumidores para, com venda de água, faturar o bolso …

26/10/2010 10:25



O vereador por Cuiabá Toninho de Souza (PDT) está conseguindo seguir algumas pegadas que podem chegar nos cabeças da chamada máfia da seca. São supostamente pessoas que atuam dentro da Sanecap em conexão com manobristas e com donos de caminhões-pipas, que deixam com sede milhares de consumidores para, com venda de água, faturar o bolso de outros. A partir da criação pela Câmara Municipal de uma comissão para acompanhar a sindicância aberta pela Companhia de Saneamento, Toninho passou a percorrer os bairros e a pedir para os moradores denunciar o esquema de negociação de água, mesmo que seja anonimamente.

   Alguns dos 30 manobristas que cuidam da redistribuição de água na Capital já estão sendo identificados como sendo do esquema. São eles que, com o simples movimento de abre e fecha nos troncos das redes, controlam a distribuição de água pelos bairros. O prefeito Chico Galindo (PTB) se mostrou preocupado com o escândalo e até prometeu aos vereadores exonerar toda a diretoria da Sanecap, hoje sob Carlos Roberto, o Nezinho. Essa decisão, porém, vem sendo postergada.

   Pela investigação paralela da comissão capitaneada por Toninho, a máfia age da seguinte maneira: donos de empresas da caminhões-pipas criaram vinculação com alguém da diretoria da Sanecap e com manobristas. A partir do instante em que fecham as torneiras, moradores que já pagam taxa para receber pelo fornecimento pela autarquia, começam a entrar em desespero por causa da falta d´água, principalmente em condomínios. Entram, então, em cena aqueles que oferecem cada caminhão-pipa por um preço que varia de R$ 150 a R$ 250. Assim, ganham dinheiro, explorando um problema grave criado por eles próprios e diante da ingerência, corrupção e negligência do poder público.

    A expectativa de Toninho de Souza é de, com ajuda dos moradores, consiga provas suficientes para acabar com a máfia da seca e até levar à cadeia os culpados pelo caos da falta de água em Cuiabá. Mesmo com a inauguração da ETA Tijucal, dezenas de bairros são castigados por falhas no serviço de saneamento.