Cooperativas devem atingir R$ 27,5 bilhões em 2010, avalia Koslovski

“As cooperativas do Paraná deverão atingir em torno de R$ 27,5 bilhões de movimentação econômica, numa demonstração que o setor vem crescendo de forma sólida e consistente”, afirmou o presidente do Sistema Ocepar, João Paulo Koslovski, em entrevista concedida na quinta-feira (04/11) ao Informativo Coamo, noticiário de rádio produzido pela cooperativa Coamo. O resultado projetado …

07/11/2010 11:08



“As cooperativas do Paraná deverão atingir em torno de R$ 27,5 bilhões de movimentação econômica, numa demonstração que o setor vem crescendo de forma sólida e consistente”, afirmou o presidente do Sistema Ocepar, João Paulo Koslovski, em entrevista concedida na quinta-feira (04/11) ao Informativo Coamo, noticiário de rádio produzido pela cooperativa Coamo. O resultado projetado por Koslovski representa R$ 2,5 bilhões a mais em relação aos R$ 25 bilhões que o cooperativismo paranaense alcançou em 2009, repetindo a movimentação recorde atingida em 2008, apesar da crise econômica mundial.

Exportações – O presidente da Ocepar ressaltou ainda que as cooperativas do Paraná deverão ultrapassar US$ 1, 650 bilhão em exportações e os investimentos devem ficar acima de R$ 1 bilhão, sendo que boa parte foi aplicada em  infraestrutura básica, como armazenagem. “As cooperativas estão investindo nesse ano R$ 360 milhões em armazéns e em torno de R$ 650 milhões em agroindustrialização. Evidentemente que a gente gostaria de ter mecanismos que dessem uma maior garantia de renda ao produtor que ainda não foram implementadas mas são desafios que teremos para os próximos anos com o futuro governo federal”, frisou Koslovski.

Agronegócio – No início da entrevista, o dirigente também fez um balanço sobre desempenho do agronegócio em 2010. O ramo agropecuário é o mais forte do setor cooperativista no Estado. “Nós tivemos um ano bom em relação ao volume de produção, diferentemente do ano passado, quando tivemos alguns problemas climáticos que reduziram a nossa safra. Mas todas as cooperativas tiveram um aumento no recebimento da produção com uma dificuldade diferente que é a questão do preço. Nós tivemos alguns produtos com preços baixos, apesar do governo estar tentando, vamos dizer assim, tirar os efeitos da valorização que nós temos em cima do real com duas ações: compra de dólar e taxação das aplicações a nível externo. Mas ainda assim precisamos de outras medidas para que nós pudéssemos ter um equilíbrio maior em relação à questão cambial, dando uma maior estabilidade ao setor”, disse.

Política – Outro tema abordado por Koslovski foi em relação às propostas do cooperativismo encaminhadas ao governador eleito do Paraná, Beto Richa, como a criação da Agência de Desenvolvimento do Paraná

“Nós precisamos ter, efetivamente, uma estrutura que poderá englobar, inclusive, a secretaria de indústria e comércio, mas focada em algo que promova o desenvolvimento do Estado com captação de recursos para estimular os investimentos nos diferentes setores da nossa economia, especialmente no setor do agronegócio, uma vez que as cooperativas são as maiores investidoras do estado e são as maiores dinamizadoras da economia, já que nós temos mais de 10 cooperativas com movimentação econômica superior a R$ 1bilhão gerando emprego, distribuindo renda e promovendo o desenvolvimento”, destacou. Além disso, o presidente da Ocepar também falou ao Informativo Coamo sobre outras demandas do setor ligadas à infraestrutura, meio ambiente, crédito e educação.