PMDB quer aumentar sua cota no Governo de Dilma

  O presidente do PMDB, deputado Carlos Bezerra, após reunião com o governador Silval Barbosa (PMDB) disse que seu partido em Mato Grosso deverá engrossar a lista com um indicado para cargo nacional do governo da presidente Dilma Rousseff (PT) e do vice, Michel Temer (PMDB). “Haverá surpresas e uma delas será a indicação de …

22/11/2010 12:11



  O presidente do PMDB, deputado Carlos Bezerra, após reunião com o governador Silval Barbosa (PMDB) disse que seu partido em Mato Grosso deverá engrossar a lista com um indicado para cargo nacional do governo da presidente Dilma Rousseff (PT) e do vice, Michel Temer (PMDB).

“Haverá surpresas e uma delas será a indicação de mais dois cargos para Mato Grosso, um do PMDB e outro do PT que provavelmente deverá ser o deputado e vice-líder do Governo, Carlos Abicalil (PT)”, disse Bezerra.

Ele considerou como certas as permanências de Rodrigo Figueiredo no Ministério das Cidades e Luiz Antônio Pagot como diretor-geral do Dnit. “O Pagot, em que pese indicado pelo PR de Mato Grosso, será mantido na cota pessoal da presidente da República”, frisou Carlos Bezerra.

Ele também aposta na indicação de outro mato-grossense, o ex-secretário do Centro-Oeste, Totó Parente, provavelmente para uma diretoria da Petrobras na cota do senador Lindberg Farias (PT) e do governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral (PMDB).

Bezerra disse que a atuação de Rodrigo Figueiredo no Ministério das Cidades, praticamente o credencia a continuar participando na próxima administração ponderando que a própria presidente eleita considera o mesmo um técnico excelente.

“Ele conseguiu dar atendimento sem distinção, ou seja, sem cor partidária e isto foi muito importante para o governo do presidente Lula. Ele é praticamente uma unanimidade entre os membros da bancada federal de Mato Grosso”, explicou Carlos Bezerra, lembrando que o mais importante não são os cargos, mas a possibilidade de se concluir um trabalho de 8 anos com sucesso.

Bezerra reconheceu a importância do governo Blairo Maggi na consolidação da economia de Mato Grosso.