Mato Grosso reduz área desmatada em pouco mais de 800 quilômetros quadrados

O governador Silval Barbosa e o secretário de Estado de Meio Ambiente, Alexander Torres Maia, participam nesta quarta-feira (01.12), no Palácio do Planalto, em Brasília (DF), de cerimônia de atos e anúncios da área ambiental. Entre os anúncios que são feitos pelo presidente Luis Inácio Lula da Silva está o da taxa de desmatamento na …

01/12/2010 14:09



O governador Silval Barbosa e o secretário de Estado de Meio Ambiente, Alexander Torres Maia, participam nesta quarta-feira (01.12), no Palácio do Planalto, em Brasília (DF), de cerimônia de atos e anúncios da área ambiental. Entre os anúncios que são feitos pelo presidente Luis Inácio Lula da Silva está o da taxa de desmatamento na Amazônia Legal, que este ano deverá bater um novo recorde. Apesar da queda no ritmo do desmatamento em relação ao ano passado, em 2010 deverá ficar próximo dos seis mil quilômetros quadrados. O anuncio oficial é feito pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva nesta manhã (01.12).

Em relação a Mato Grosso, a estimativa é de que o desmatamento tenha reduzido no Estado para pouco mais de 800 quilômetros quadrados. “Reduzimos ainda mais os bons índices do ano passado”, comentou o secretário de Meio Ambiente, Alexander Maia, por telefone.

Na solenidade, o diretor geral do Inpe, Gilberto Câmara, elogiou a atuação do Governo do Estado, “pelos esforços na redução do desmatamento”.

AMAZÔNIA – A expectativa do Governo Federal é de que o desmatamento ficaria este ano em torno dos cinco mil quilômetros quadrados, baseado num projeto do Sistema de Detecção do Desmatamento em Tempo Real (Deter), do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), que apontava uma queda de 48% no desmatamento, no período de agosto de 2009 a julho de 2010, em comparação com 2009.

Mesmo assim, a queda no desmatamento em 2010, ficará em torno dos 20% em relação ao ano anterior, sendo a menos dos últimos 23 anos, ou seja, desde que o Inpe passou a monitorar a região. Em 2009, o governo já havia registrado um recorde, após obter uma redução de 42% do desmatamento. Em 2010 será o segundo recorde consecutivo.

Esses números são provenientes do Projeto de Monitoramento do Desflorestamento na Amazônia Legal (Prodes), realizado pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe).

Desde 1988, o Inpe utiliza o Prodes para estimar a taxa anual do desmatamento por corte raso, quando ocorre a remoção completa da cobertura florestal, em áreas maiores que 6,25 hectares.

O Prodes é considerado o maior programa de acompanhamento de florestas do mundo, por cobrir 4 milhões de km2 todos os anos.