MT detém a quarta maior quantidade de armazéns

A capacidade é de 26 milhões de toneladas, duas milhões de toneladas a menos do que se costuma produzir anualmente. De acordo com o levantamento do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), 55% dos armazéns estão localizados na região Norte do Estado e 28% no Sudeste. Na região Sudoeste, que possui menos locais para …

11/12/2010 08:26



A capacidade é de 26 milhões de toneladas, duas milhões de toneladas a menos do que se costuma produzir anualmente.

De acordo com o levantamento do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), 55% dos armazéns estão localizados na região Norte do Estado e 28% no Sudeste. Na região Sudoeste, que possui menos locais para depósito de produção, são 30 unidades e nas regiões Centro-Sul e Noroeste são respectivamente, 47 e 87.

O superintendente regional da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), Ovídio Costa explica que estudos apontam que a capacidade de armazenamento deve ser 20% superior à produção, o que no caso de Mato Grosso significaria uma capacidade para 33 milhões de toneladas. Porém, Costa explica que o Estado é um produtor excedente, ou seja, produz para exportar. “Nossa produção não é voltada para o abastecimento local, e sim para a venda a outros estados e países. Quando se encerra uma safra parte tem que ser escoada”, diz ao exemplificar com o caso do milho, que tem 8 milhões de toneladas de produção e das quais 2,2 milhões são consumidas aqui.

Estoques – De acordo com o levantamento do IBGE, em junho de 2010, os armazéns mato-grossenses possuíam 14,840 mil toneladas de algodão em pluma estocadas. De arroz em casca eram 149,111 mil toneladas. O milho e a soja, que representam maior produção do Estado, juntos somavam 6,460 milhões de toneladas, sendo 3,277 milhões toneladas de milho e 3,183 milhões de toneladas de soja. Estes produtos estavam distribuídos 68 municípios no caso do milho, 59 na soja, 35 no arroz e 15 no algodão. O feijão em junho contabilizava 10,539 mil toneladas. Do locais voltados para o estoque de grãos, 991 são de propriedade privada, 28 pertencem a cooperativas, 12 ao governo e 3 são de economia mista.