“Governabilidade não significa subserviência”, afirma Riva

O deputado estadual reeleito José Riva (PP)  afirmou hoje que, mesmo a grande maioria dos deputados estaduais serem da base aliada, é preciso manter a discussão e criticidade ao governo no que diz respeito aos interesses da população. “Existe uma ideia equivocada da atuação parlamentar, que em suma deveria girar em torno dos interesses do …

21/12/2010 18:09



O deputado estadual reeleito José Riva (PP)  afirmou hoje que, mesmo a grande maioria dos deputados estaduais serem da base aliada, é preciso manter a discussão e criticidade ao governo no que diz respeito aos interesses da população.

“Existe uma ideia equivocada da atuação parlamentar, que em suma deveria girar em torno dos interesses do estado. Temos que acabar com o deputado de oposição ou de situação. Governabilidade não significa subserviência. Não serei um deputado subseviente, mas sim um parlamentar preocupado com os interesses de Mato Grossso, que vai ajudar o governador Silval Barbosa a administrar o estado”, afirmou Riva.

Segundo o parlamentar, questões relacionadas às àreas de Saúde, Regularização Fundiária, Ambiental, Logística e Agricultura Familiar deverão ser prioridades para o Governo, além de administrar com o intuito de diminuir as desigualdades sociais entre os municípios.

“O governador terá uma tarefa difícil de combater as desigualdades sociais, levando em consideração mais o aspecto social do que político para corrigir essas distorções. Por exemplo, a Saúde é uma questão grave que precisa ser melhorada urgentemente”, citou e em seguida, criticou também a quantidade de decretos emitidos pela Secretaria de Estado de Fazenda (Sefaz). “Os empresários dormem com uma legislação e acordam com outra”.

Campanha

Sobre o processo eleitoral deste ano, em que foi o deputado estadual mais votado com 93.954 votos e o segundo mais votado, proporcionalmente, no Brasil (6,13%), Riva acredita que não atingiu a marca dos 100 mil votos devido ao número excessivos de candidatos que teve em suas bases e também por causa da cassação do seu diploma. Passei por uma situação atípica pois faltavam três dias para as eleições e eu ainda tinha que explicar que era candidato. Foi muito explorado esta situação da cassação, em um jogo rasteiro”, lamentou.

Com relação a votação obtida na Baixada Cuiabana, Riva disse que não fez uma campanha maciça pois tem muitos amigos que foram candidatos, inclusive, dentro do seu próprio partido como foi o caso de Deucimar, Walter Rabelo e Maksuês Leite, que têm suas bases eleitorais na região. “Mesmo não fazendo uma campanha forte ainda assim, obtive em Cuiabá quase sete mil votos e em todos os municípios do estado recebi votos”.

Já sobre o seu futuro político, o deputado reafirmou que não será mais candidato a deputado estadual e que nem pretende disputar uma cadeira na Câmara Federal. “Tenho pretensão a uma candidatura majoritária, seja para senador ou governador”. Conforme Riva, disputar um cargo majoritário ainda não foi possível devido os processos ao qual responde na justiça.

“Assumimos a Assembleia em um momento muito delicado e pagamos caro por isso até hoje e enfrentamos essa disputa jurídica. Se nestas eleições, tivêssemos uma candidatura majoritória a discussao sairia do campo político e iria para o jurídico. Mas eu não desviei dinheiro, não roubei e tenho a consciência tranquila, mas estou ansioso para que seja apreciado o mérito final destes processos para ser provado minha inocência”.