Morre o ex-governador de São Paulo Orestes Quércia

Morreu na manhã desta sexta-feira (24) em São Paulo o ex-governador do Estado Orestes Quércia (PMDB). Ele permanecia internado desde 18 de novembro no Hospital Sírio-Libanês, onde passava por sessões de quimioterapia para tratar de um câncer de próstata. Ele ficou internado no mesmo hospital por mais de um mês, entre o dia 1º de …

24/12/2010 09:37



Morreu na manhã desta sexta-feira (24) em São Paulo o ex-governador do Estado Orestes Quércia (PMDB). Ele permanecia internado desde 18 de novembro no Hospital Sírio-Libanês, onde passava por sessões de quimioterapia para tratar de um câncer de próstata.

Ele ficou internado no mesmo hospital por mais de um mês, entre o dia 1º de setembro e o dia 6 de outubro, quando foi constatada a volta do tumor, tratado há mais de dez anos.

Na última quinta-feira (23), o estado de saúde de Quércia era considerado crítico, de acordo com a assessoria de imprensa do hospital.

Devido ao tratamento, Quércia deixou a disputa pelo Senado – ele era candidato pela coligação de Geraldo Alckmin (PSDB), eleito governador do Estado. Com a desistência, o ex-governador apoiou o tucano Aloysio Nunes, que foi eleito para uma das vagas ao Senado por São Paulo.

Biografia

Nascido em Pedregulho (SP), em 1938, Orestes Quércia iniciou a carreira política em 1962, ao ser eleito vereador em Campinas, no interior paulista, pelo extinto Partido Libertador. Com a ditadura militar e o fim da liberdade partidária, Quércia migrou para o MBD (Movimento Democrático Brasileiro), partido que mais tarde ajudou a transformar no atual PMDB (Partido do Movimento Democrático Brasileiro).

Pelo MDB, foi eleito deputado estadual em 1966 e prefeito de Campinas em 1968. Quércia fortaleceu o partido no interior de São Paulo como principal oposição legal à ditadura e, em 1974, foi eleito senador pelo Estado.

Em 1980, com a abertura do regime militar e a volta do pluripartidarismo, Quércia foi eleito vice-governador pelo PMDB, na chapa pura de Franco Montoro, e foi eleito governador em 1986. O peemedebista foi favorável à campanha pelas Diretas Já e, em 1989, apoiou a candidatura vitoriosa de Tancredo Neves à Presidência.

Desde que deixou o governo paulista em 1991, Quércia não conseguiu mais se eleger, apesar de ter concorrido diversas vezes. Tentou a Presidência, em 1994, uma vaga de deputado estadual, em 1998 e 2006, e disputou o Senado, em 2002. Este ano, abandonou no meio a campanha para senador por São Paulo devido a um câncer de próstata. Quércia apoiou Aloysio Nunes, o que garantiu a vitória ao tucano, antes atrás nas pesquisas.

Quércia deixa mulher e quatro filhos.