Pedro garante que se afastou do cargo devido às obrigações da AMM

Prestes a deixar a presidência da Associação Mato-grossense dos Municípios (AMM), o prefeito de Jauru, Pedro Ferreira (PP), disse que conciliar os dois cargos não foi fácil. O progressista admitiu que se afastou dos assuntos da prefeitura enquanto esteve à frente da entidade. “Além da demanda muito grande nos dois lugares, a distância de mais …

25/12/2010 08:39



Prestes a deixar a presidência da Associação Mato-grossense dos Municípios (AMM), o prefeito de Jauru, Pedro Ferreira (PP), disse que conciliar os dois cargos não foi fácil. O progressista admitiu que se afastou dos assuntos da prefeitura enquanto esteve à frente da entidade. “Além da demanda muito grande nos dois lugares, a distância de mais de 400 quilômetros entre Cuiabá e Jauru dificultou ainda a situação”, frisou. Pedro chegou a defender que apenas ex-prefeitos presidam a AMM para que possam se dedicar integralmente à entidade.

   Nos cerca de dois anos de atuação na AMM, Pedro foi autor de várias propostas de mudanças na associação. Além de reestruturar todo o regimento interno, foi dele a ideia de que as prefeituras filiadas passassem a ser contribuintes, possibilitando que a AMM deixasse de ser apenas uma prestadora de serviço que fazia trabalhos de assessoria aos municípios. Ele acredita que seu sucessor, o prefeito de Acorizal, Meraldo Sá (PR), eleito nesta quarta (22), deva dar continuidade a este trabalho de reformulação.

   A AMM tem hoje um orçamento de aproximadamente R$ 8 milhões. A verba provém dos repasses feitos pelas prefeituras filiadas. O valor de cada contribuição é calculado sobre um percentual da arrecadação do ICMS de cada município. Atualmente, a entidade conta com 190 funcionários e a folha de pagamento corresponde a cerca de R$ 270 mil.