Governo propõe força-tarefa para ampliar exportações

Esta foi a proposta que o secretário da Indústria, do Comércio e Assuntos do Mercosul, Ricardo Barros, fez às entidades e federações do estado, durante reunião em Curitiba. O grupo, na ideia de Ricardo Barros, utilizará a estrutura de cada entidade para melhorar a participação do Paraná em feiras, eventos, missões e também na recepção …

08/01/2011 15:04



Esta foi a proposta que o secretário da Indústria, do Comércio e Assuntos do Mercosul, Ricardo Barros, fez às entidades e federações do estado, durante reunião em Curitiba. O grupo, na ideia de Ricardo Barros, utilizará a estrutura de cada entidade para melhorar a participação do Paraná em feiras, eventos, missões e também na recepção de empresários e investidores interessados em se estabelecer no estado. “Vamos unir os esforços das federações e instituições para criar um sistema com o objetivo maior de otimizar as missões, feiras e eventos e, especialmente, a recepção de delegações estrangeiras”, reforça. Barros afirmou que as reuniões entre o grupo serão rotineiras e que eventualmente serão ampliadas para outras áreas do comércio exterior. “Na próxima semana, entraremos em uma nova etapa, em que Câmaras de Comércio e Consulados também serão convidadas neste esforço pela ampliação das relações comerciais do Estado com novos mercados”.

Aceitação – A proposta foi bem recebida pelas entidades presentes na reunião. Segundo o superintendente adjunto do Sindicato e Organização das Cooperativas do Paraná (Ocepar), Nelson Costa, a medida é boa porque cria uma sinergia entre os integrantes do grupo, oferece apoio e orientação ao exportador e, consequentemente, agiliza os processos e cria novas oportunidades de negócios. “A ideia é que todas as entidades ligadas ao agronegócio ou que prestam serviços voltados ao comércio exterior, tenham assento neste centro e coordenem as atividades. Apenas para dar um exemplo de como o trabalho funcionará, o exportador que recorrer ao serviço poderá ser orientado sobre diversos assuntos, entre os quais, a documentação necessária para embarcação de mercadorias. Esta centralização de informações, evita que ele tenha que procurar diversos órgãos em busca de orientação”, explica. 

Novas oportunidades – A diretoria do Sebrae Paraná, Ricardo Dellaméa também aprovou a proposta. “Em governos anteriores, o setor automotivo teve um grande salto ao ser atingido por investimentos internacionais. Novas cadeias produtivas serão beneficiadas com a união de entidades”. Dellaméa ressaltou ainda que esse trabalho conjunto irá revelar, além das novas oportunidades para as empresas estaduais, os gargalos técnicos e burocráticos. “Na medida que utilizamos um mesmo instrumento, teremos uma única estratégia para a atração de empresas estrangeiras ao Paraná”, completa. Para a representante do Conselho de Comércio Exterior da Associação Comercial do Paraná (Concex), Leila Grachecoski, a entidade além de representar seus associados e as classes produtoras em geral, pode prestar apoio ao Governo quanto às políticas governamentais para o mercado internacional. “Ao lado do governo, podemos orientar o empresariado paranaense para a abertura de novos mercados, direcionando os caminhos a serem seguidos no mercado externo para a realização de negócios”, explica.

Mercados – Fundada na França e com escritório no Brasil em Curitiba, a Empresa Internacional de Rhône-Alpes (ERAI) também fez parte da reunião com o secretário Ricardo Barros e espera fortalecer acordos de cooperação entre o Paraná a província francesa. De acordo com o gerente de projeto da entidade, Daniel Dall`agnol, diversos protocolos de intenções já foram assinados entre os governos e estão divididos em eixos temáticos – turismo, agricultura, saúde, meio ambiente, indústria e comércio, educação, ciência e tecnologia, planejamento, cultura e trabalho. “Será um bom momento para implantação destas ações.” Segundo ele, um exemplo para parcerias vem do programa europeu “Quatro Motores para a Europa” criado há 22 anos, que reúnem as regiões de Rhône-Alpes (Franca), Baden-Wurttemberg (Alemanha), Catalunha (Espanha) e Lombardia (Itália). A iniciativa foi base de modelo para a criação de uma rede latino-americana: Quatro Motores para o Mercosul, composta por Paraná (Brasil), Alto Paraná (Paraguai), Córdoba (Argentina) e Rivera (Uruguai). Ambas as regiões esperam fortalecer as relações comerciais com o Paraná.

Presenças – Participaram da reunião representantes da Federação das Indústrias do Paraná (Fiep), Federação da Agricultura do Estado do Paraná (Faep), Associação Comercial do Paraná (ACP), Federação das Associações Comerciais e Empresariais do Paraná (Faciap), Federação do Comércio do Paraná (Fecomércio), Sebrae, Organização das Cooperativas do Estado do Paraná (Ocepar), Federação das Associações das Micro e Pequenas Empresas do Paraná (Fampepar) e a Empresa Internacional de Rhône-Alpes (ERAI).