Bovespa perde 0,37% e dólar vale R$ 1,69; cautela marca mercados

Preocupações com a crise europeia, e a expectativa pela temporada de balanços nos EUA, afetam os negócios nas Bolsas de Valores nesta segunda-feira. A Bovespa (Bolsa de Valores de São Paulo) iniciou a rodada de hoje com perdas e permanece no campo negativo, num dia de poucos indicadores econômicos de destaque. Vários países europeus devem …

10/01/2011 16:31



Preocupações com a crise europeia, e a expectativa pela temporada de balanços nos EUA, afetam os negócios nas Bolsas de Valores nesta segunda-feira. A Bovespa (Bolsa de Valores de São Paulo) iniciou a rodada de hoje com perdas e permanece no campo negativo, num dia de poucos indicadores econômicos de destaque.

Vários países europeus devem realizar leilões de títulos públicos nesta semana, que devem refletir o nível de confiança dos investidores na capacidade de nações como Portugal e Espanha sustentarem seus compromissos financeiros.

O Ibovespa, principal índice de ações da Bolsa paulista, recua 0,37%, aos 69.801 pontos. O giro financeiro é de R$ 1,53 bilhão. Nos EUA, O índice Dow Jones, da Bolsa de Nova York, cai 0,62%.

O dólar comercial é cotado por R$ 1,696, em um avanço de 0,59%. A taxa de risco-país marca 173 pontos, número 2,36% acima da pontuação anterior.

Entre as primeiras notícias do dia, a FGV (Fundação Getulio Vargas) apontou uma inflação de 0,42%, na primeira estimativa prévia do IGP-M para o mês de janeiro. Na primeira estimativa de dezembro, esse índice apresentou variação de 0,83%. No acumulado dos últimos doze meses, a variação registrada chegou a 11,09%.

O boletim Focus, elaborado pelo Banco Central, mostrou que a maioria dos economistas do setor financeiro elevou novamente suas projeções para a inflação deste ano –o IPCA previsto passou de 5,32% para 5,34%. Para 2012, a projeção permaneceu em 4,50%.

No front externo, o governo chinês reportou que o superavit comercial do país atingiu US$ 183,1 bilhões no ano de 2010, o que representa um decréscimo de 6,4% na comparação com 2009. O volume importado pelo país aumentou 38,7% neste período, ante um crescimento de 31,3% das exportações.