Brasil desenvolverá vacina contra febre amarela a partir de planta

Instituições científicas do Brasil e dos Estados Unidos assinaram um acordo para desenvolver e produzir uma vacina contra a febre amarela a partir de vegetais. O acordo para desenvolver a primeira vacina do mundo produzida a partir de uma planta e não de um vírus inativo ou atenuado foi assinado este mês e representa um …

26/01/2011 14:29



Instituições científicas do Brasil e dos Estados Unidos assinaram um acordo para desenvolver e produzir uma vacina contra a febre amarela a partir de vegetais.
O acordo para desenvolver a primeira vacina do mundo produzida a partir de uma planta e não de um vírus inativo ou atenuado foi assinado este mês e representa um avanço principalmente para o Instituto de Tecnologia em Imunobiológicos (Bio-Manguinhos), segundo fontes do laboratório brasileiro citadas pelo jornal.

O acordo, que tem parceria com o Centro Fraunhofer para a Biotecnologia Molecular e a empresa americana iBio Inc, terá investimentos de US$ 6 milhões de Bio-Manguinhos e prevê a primeira fase de provas clínicas no Brasil e nos EUA num período de três anos.

“É algo inédito no mundo”, explica Marcos Freire, vice-diretor de Desenvolvimento Tecnológico de Bio-Manguinhos, ao referir-se a uma tecnologia que pode reduzir o custo e aumentar a produção das vacinas contra a febre amarela, além de diminuir os efeitos colaterais do imunizante convencional.

Segundo o cientista, os pesquisadores pretendem isolar o gene que codifica a principal proteína do vírus que transmite a doença e que igualmente é capaz de gerar a resposta imunológica do organismo à ameaça (antígeno).

O gene será introduzido nas células das folhas da “Nicotiana benthamiana”, uma espécie de tabaco, que serão cultivadas e reproduzidas em laboratório.

“Cada folha da planta funciona como uma fábrica do antígeno que será usado na vacina”, assegura Ricardo Galler, pesquisador de Bio-Manguinos e que coordenará o projeto.

Este método de produção biológica de remédios já é usado na produção de algumas substâncias, como insulina, mas pela primeira vez será usado na fabricação de uma vacina.