Produtores entregam carta de repúdio contra Johnny a Silval

Um grupo de 58 produtores culturais de Sinop assinou uma carta de repúdio ao modo como a escolha da nova diretoria do Conselho estadual de Cultura vem sendo conduzida. Eles estão revoltados com o presidente do conselho, Johnny Everson, que teria desrespeitado de maneira arbitrária o regimento eleitoral, que há 15 anos é feito pela …

28/01/2011 11:54



Um grupo de 58 produtores culturais de Sinop assinou uma carta de repúdio ao modo como a escolha da nova diretoria do Conselho estadual de Cultura vem sendo conduzida. Eles estão revoltados com o presidente do conselho, Johnny Everson, que teria desrespeitado de maneira arbitrária o regimento eleitoral, que há 15 anos é feito pela classe. O documento formulado pelo grupo Rebelião Cultural, já foi entregue ao governador Silval Barbosa (PMDB) durante uma visita dele a Sinop nesta quarta (27).
O documento, inclusive, é assinado pelo secretário municipal de Diversidade Cultural, Ozeas Veras. “Silval disse que vai analisar o nosso pedido”, pontuou o produtor cultural Anderson Maciel. Outra reivindicação do grupo é a criação de um Plano estadual de Cultura. A primeira discussão em torno destes pontos ocorreu durante um fórum local.
“Queremos que os trabalhadores do setor cultural busquem o consenso neste primeiro momento para que possamos rever o atual processo de eleição do conselho estadual de Cultura e para que possamos construir um sistema estadual de Cultura, que seja construído de forma transparente junto aos trabalhadores e que seja legalmente aprovado pelo poder constituído a Casa do Povo (Assembleia Legislativa)”, diz trecho da carta entregue a Silval.
Conforme Anderson, a necessidade da criação do plano de Cultura surgiu porque hoje há reclamação de que produtores culturais do Nortão, do Araguaia e até de Cuiabá são prejudicados pelo atual sistema. Já sobre a eleição do novo conselho, ele pontua que o processo é conduzido de maneira arbitrária e que diante da situação 90% dos produtores culturais não encaminharam a atualização de seu cadastro junto à pasta de Cultura. “É uma maneira da gente reivindicar mudanças”, pondera.

Um grupo de 58 produtores culturais de Sinop assinou uma carta de repúdio ao modo como a escolha da nova diretoria do Conselho estadual de Cultura vem sendo conduzida. Eles estão revoltados com o presidente do conselho, Johnny Everson, que teria desrespeitado de maneira arbitrária o regimento eleitoral, que há 15 anos é feito pela classe. O documento formulado pelo grupo Rebelião Cultural, já foi entregue ao governador Silval Barbosa (PMDB) durante uma visita dele a Sinop nesta quarta (27).
O documento, inclusive, é assinado pelo secretário municipal de Diversidade Cultural, Ozeas Veras. “Silval disse que vai analisar o nosso pedido”, pontuou o produtor cultural Anderson Maciel. Outra reivindicação do grupo é a criação de um Plano estadual de Cultura. A primeira discussão em torno destes pontos ocorreu durante um fórum local.
“Queremos que os trabalhadores do setor cultural busquem o consenso neste primeiro momento para que possamos rever o atual processo de eleição do conselho estadual de Cultura e para que possamos construir um sistema estadual de Cultura, que seja construído de forma transparente junto aos trabalhadores e que seja legalmente aprovado pelo poder constituído a Casa do Povo (Assembleia Legislativa)”, diz trecho da carta entregue a Silval.
Conforme Anderson, a necessidade da criação do plano de Cultura surgiu porque hoje há reclamação de que produtores culturais do Nortão, do Araguaia e até de Cuiabá são prejudicados pelo atual sistema. Já sobre a eleição do novo conselho, ele pontua que o processo é conduzido de maneira arbitrária e que diante da situação 90% dos produtores culturais não encaminharam a atualização de seu cadastro junto à pasta de Cultura. “É uma maneira da gente reivindicar mudanças”, pondera.