Romoaldo vence Nilson no PMDB e fica com 1ª vice-presidência da AL

O deputado reeleito Nilson Santos, de Colíder, perdeu a queda-de-braço para o colega peemedebista e da mesma região Norte, ex-prefeito de Alta Floresta Romoaldo Júnior. Coube ao PMDB indicar um nome para a primeira-vice-presidência da nova Mesa da Assembleia, a ser presidida por José Riva (PP). Romoaldo se lançou primeiro ao posto. Na semana passada, …

30/01/2011 11:57



O deputado reeleito Nilson Santos, de Colíder, perdeu a queda-de-braço para o colega peemedebista e da mesma região Norte, ex-prefeito de Alta Floresta Romoaldo Júnior. Coube ao PMDB indicar um nome para a primeira-vice-presidência da nova Mesa da Assembleia, a ser presidida por José Riva (PP). Romoaldo se lançou primeiro ao posto. Na semana passada, Nilson passou a buscar apoio, tanto interno quanto externo, para ficar com a vaga dentro da chapa única. Mas já era tarde demais.
Com respaldo de Riva e do seu velho amigo Humberto Bosaipo, hoje conselheiro do Tribunal de Contas, Romoaldo teve o nome confirmado como primeiro-vice. Na prática, conduzirá o Legislativo mato-grossense na ausência de Riva. Romoaldo já foi primeiro-secretário da Assembleia na época de uma das gestões de Bosaipo como presidente. Ele quer mais. Se articula para ser também o líder na AL do governo Silval Barbosa, do seu próprio partido.
A futura Mesa está praticamente definida. Dos sete cargos, falta um nome, o que responderá pela Quarta-Secretaria. Os mais cobiçados são a presidência, que volta a ser ocupada por Riva, inclusive pela quinta vez, e a de primeiro-secretário, que continua sob Sérgio Ricardo (PR). O democrata Dilmar Dal Bosco, que estreia como deputado, entra como segundo-vice-presidente. Mauro Savi, que assumiu o comando da AL com a cassação de Riva, aceitou o cargo de segundo-secretário. Luiz Marinho (PTB) fica como terceiro-secretário.
A expectativa do bloco é de obter votação unânime. A eleição da Mesa acontece na próxima terça, 1º de fevereiro, logo após a sessão solene que marca a posse dos 24 parlamentares. O mandato é de dois anos. Nenhum outro deputado, seja estreante, seja veterano, se arriscou a montar chapa para contrapor a de Riva que, mesmo sem mandato e sob investigação por atos de improbidade, mantém controle do Legislativo.
Chapa única para nova Mesa da Assembleia
Presidente: José Riva (PP)
Primeiro-vice: Romoaldo Júnior (PMDB)
Segundo-vice: Dilmar Dal Bosco (DEM)
Primeiro-secretário: Sérgio Ricardo (PR)
Segundo-secretário: Mauro Savi (PR)
Terceiro-secretário: Luiz Marinho (PTB)
Quarto-secretário: indefinido
A Assembleia recebe mensalmente R$ 18 milhões de duodécimo. Possui mais de 2 mil servidores. Seus parlamentares iniciam os trabalhos com salário mais “gordo”, agora de R$ 20 mil. Eles possuem outros privilégios e ragalias, como verba indenizatória de até R$ 15 mil, têm veículo Corolla à disposição custeado pelo erário, até 30 assessores e controlam cerca de R$ 30 mil para despesas de manutenção de gabinete. Ganham para avaliar, apresentar e debater projetos e outras proposituras e fiscalizar os atos do Executivo. Na prática, porém, quase todos são governistas.

O deputado reeleito Nilson Santos, de Colíder, perdeu a queda-de-braço para o colega peemedebista e da mesma região Norte, ex-prefeito de Alta Floresta Romoaldo Júnior. Coube ao PMDB indicar um nome para a primeira-vice-presidência da nova Mesa da Assembleia, a ser presidida por José Riva (PP). Romoaldo se lançou primeiro ao posto. Na semana passada, Nilson passou a buscar apoio, tanto interno quanto externo, para ficar com a vaga dentro da chapa única. Mas já era tarde demais.
Com respaldo de Riva e do seu velho amigo Humberto Bosaipo, hoje conselheiro do Tribunal de Contas, Romoaldo teve o nome confirmado como primeiro-vice. Na prática, conduzirá o Legislativo mato-grossense na ausência de Riva. Romoaldo já foi primeiro-secretário da Assembleia na época de uma das gestões de Bosaipo como presidente. Ele quer mais. Se articula para ser também o líder na AL do governo Silval Barbosa, do seu próprio partido.
A futura Mesa está praticamente definida. Dos sete cargos, falta um nome, o que responderá pela Quarta-Secretaria. Os mais cobiçados são a presidência, que volta a ser ocupada por Riva, inclusive pela quinta vez, e a de primeiro-secretário, que continua sob Sérgio Ricardo (PR). O democrata Dilmar Dal Bosco, que estreia como deputado, entra como segundo-vice-presidente. Mauro Savi, que assumiu o comando da AL com a cassação de Riva, aceitou o cargo de segundo-secretário. Luiz Marinho (PTB) fica como terceiro-secretário.
A expectativa do bloco é de obter votação unânime. A eleição da Mesa acontece na próxima terça, 1º de fevereiro, logo após a sessão solene que marca a posse dos 24 parlamentares. O mandato é de dois anos. Nenhum outro deputado, seja estreante, seja veterano, se arriscou a montar chapa para contrapor a de Riva que, mesmo sem mandato e sob investigação por atos de improbidade, mantém controle do Legislativo.
Chapa única para nova Mesa da Assembleia      Presidente: José Riva (PP)      Primeiro-vice: Romoaldo Júnior (PMDB)      Segundo-vice: Dilmar Dal Bosco (DEM)      Primeiro-secretário: Sérgio Ricardo (PR)      Segundo-secretário: Mauro Savi (PR)      Terceiro-secretário: Luiz Marinho (PTB)      Quarto-secretário: indefinido
A Assembleia recebe mensalmente R$ 18 milhões de duodécimo. Possui mais de 2 mil servidores. Seus parlamentares iniciam os trabalhos com salário mais “gordo”, agora de R$ 20 mil. Eles possuem outros privilégios e ragalias, como verba indenizatória de até R$ 15 mil, têm veículo Corolla à disposição custeado pelo erário, até 30 assessores e controlam cerca de R$ 30 mil para despesas de manutenção de gabinete. Ganham para avaliar, apresentar e debater projetos e outras proposituras e fiscalizar os atos do Executivo. Na prática, porém, quase todos são governistas.





Tags: