Cientistas criam técnica para tirar impressão digital de roupas

Especialistas em ciências forenses (técnicas usadas para investigar o culpado de um crime) da Universidade de Abertay Dundee, no Reino Unido, e da polícia escocesa estão desenvolvendo novas técnicas para a descoberta de impressões digitais. O novo método pretende recuperar detalhes de impressões digitais de tecidos, algo que até agora se mostrou muito difícil. Chamada …

01/02/2011 10:33



Especialistas em ciências forenses (técnicas usadas para investigar o culpado de um crime) da Universidade de Abertay Dundee, no Reino Unido, e da polícia escocesa estão desenvolvendo novas técnicas para a descoberta de impressões digitais. O novo método pretende recuperar detalhes de impressões digitais de tecidos, algo que até agora se mostrou muito difícil.
Chamada de VMD (deposição de metal no vácuo, na sigla em inglês), ou evaporação, a técnica que usa ouro e zinco para recuperar a marca dos dedos, é usada para detectar marcas digitais em superfícies lisas, como sacos, plásticos e vidros. A pesquisa está fazendo experiências com a VMD no exame de roupas e verificando seu valor para investigações criminais.
Joanna Fraser, pesquisadora de ciência forense da universidade, diz que “o estudo usa camadas finas de metais para exibir impressões digitais que as pessoas possam ter deixado em tecidos”. Segundo ela, essa técnica existe desde 1970 e é usada em vários tipos de superfícies, menos em tecidos.
– É como se fosse o negativo de uma foto, no qual as cores aparecem como seus opostos. Os sulcos das impressões digitais aparecem através do tecido, mas onde eles não existem sulcos podemos ver a cor cinza do metal.
Paul Deacon, gerente da unidade de impressões digitais da polícia escocesa e um dos especialistas do projeto, diz que as impressões digitais vêm sendo usadas para fins de identificação por mais de cem anos. E que já estava na hora de superar a dificuldade em recuperá-las em tecidos.
– A pesquisa ainda está nas primeiras fases, mas já começamos a obter resultados. Mostramos que tecidos com muitos fios são os melhores para revelar uma impressão. Já recuperamos marcas digitais de tecidos como seda, nylon e poliéster.
Embora a técnica ainda não seja muito eficiente para recuperar uma impressão digital completa de tecidos, os pesquisadores tiveram bastante sucesso em revelar a forma de uma marca de mão em vários tipos de confecções.
Segundo Deacon, “essa impressão poderia ajudar a polícia a montar uma linha do tempo de eventos e ser usada para fornecer provas em casos nos quais alguém foi empurrado ou agarrado em uma área da roupa.

Especialistas em ciências forenses (técnicas usadas para investigar o culpado de um crime) da Universidade de Abertay Dundee, no Reino Unido, e da polícia escocesa estão desenvolvendo novas técnicas para a descoberta de impressões digitais. O novo método pretende recuperar detalhes de impressões digitais de tecidos, algo que até agora se mostrou muito difícil.
Chamada de VMD (deposição de metal no vácuo, na sigla em inglês), ou evaporação, a técnica que usa ouro e zinco para recuperar a marca dos dedos, é usada para detectar marcas digitais em superfícies lisas, como sacos, plásticos e vidros. A pesquisa está fazendo experiências com a VMD no exame de roupas e verificando seu valor para investigações criminais.
Joanna Fraser, pesquisadora de ciência forense da universidade, diz que “o estudo usa camadas finas de metais para exibir impressões digitais que as pessoas possam ter deixado em tecidos”. Segundo ela, essa técnica existe desde 1970 e é usada em vários tipos de superfícies, menos em tecidos.
– É como se fosse o negativo de uma foto, no qual as cores aparecem como seus opostos. Os sulcos das impressões digitais aparecem através do tecido, mas onde eles não existem sulcos podemos ver a cor cinza do metal.
Paul Deacon, gerente da unidade de impressões digitais da polícia escocesa e um dos especialistas do projeto, diz que as impressões digitais vêm sendo usadas para fins de identificação por mais de cem anos. E que já estava na hora de superar a dificuldade em recuperá-las em tecidos.
– A pesquisa ainda está nas primeiras fases, mas já começamos a obter resultados. Mostramos que tecidos com muitos fios são os melhores para revelar uma impressão. Já recuperamos marcas digitais de tecidos como seda, nylon e poliéster. Embora a técnica ainda não seja muito eficiente para recuperar uma impressão digital completa de tecidos, os pesquisadores tiveram bastante sucesso em revelar a forma de uma marca de mão em vários tipos de confecções.
Segundo Deacon, “essa impressão poderia ajudar a polícia a montar uma linha do tempo de eventos e ser usada para fornecer provas em casos nos quais alguém foi empurrado ou agarrado em uma área da roupa.

– Por exemplo, a impressão da palma de uma mão nas costas da camisa de alguém pode indicar que a pessoa foi empurrada em vez de ter pulado. Impressões digitais em tecidos e outras superfícies podem deixar vestígios de DNA, que ajudam os peritos a visualizar a melhor área de uma roupa para recuperar provas.

Tom Nelson, diretor do departamento forense da polícia escocesa, explicou que as impressões digitais em um tecido não deverão condenar um suspeito, mas, usadas com outras provas, tornarão o caso mais sólido para o juiz e para o o júri.






Tags: