Seleção de Mano sofre segunda derrota

Stade de France, camisa 10 da França inspirado, derrota do Brasil… Não, não foi uma reprise de 1998, mas os Bleus, mais uma vez, foram vilões para o futebol pentacampeão. Com Benzema em noite especial, a França venceu por 1 a 0 ontem e decretou a segunda derrota seguida da seleção sob o comando de …

11/02/2011 09:17



Stade de France, camisa 10 da França inspirado, derrota do Brasil… Não, não foi uma reprise de 1998, mas os Bleus, mais uma vez, foram vilões para o futebol pentacampeão. Com Benzema em noite especial, a França venceu por 1 a 0 ontem e decretou a segunda derrota seguida da seleção sob o comando de Mano Menezes.

Apesar do começo equilibrado, o Brasil sofreu com a expulsão de Hernanes aos 39min do primeiro tempo. À la Anderson Silva, lenda do MMA e campeão dos médios do UFC, o meia da Lazio deu um chute na altura do peito de Benzema e recebeu o vermelho direto. Aí a história mudou, e muito.

Era só o começo das travessuras de Benzema, que fez justiça à camisa 10 que já foi de Zidane, o carrasco do Brasil na final da Copa de 1998 ao marcar dois gols no mesmo palco desta noite. Benzema não fez dois, mas provocou a expulsão, estufou a rede uma vez, obrigou Julio Cesar a fazer duas grandes defesas e por pouco não anotou o segundo gol em outras duas chances.

Pior para Mano. No segundo grande teste da seleção sob seu comando, a segunda derrota seguida. Depois de perder por 1 a 0 para a Argentina em novembro do ano passado, no Qatar, o Brasil caiu diante de outro campeão mundial. Tudo que o treinador não queria era começar 2011 com novo revés e ameaça de pressão.

A torcida francesa fez sua parte desde o começo. Com o estádio quase lotado, os fãs locais tentaram empurrar o time de Laurent Blanc para cima do Brasil com o tradicional grito “Allez les Bleus”. Mas exceção feita ao chute perigoso de Benzema, os anfitriões pouco fizeram de efetivo antes do intervalo. A marcação dos pentacampeões encaixou, parando as investidas já no meio-campo.

A equipe de Mano explorou principalmente o lado esquerdo do ataque. André Santos subiu com frequência, contando com a ajuda de Robinho e de Pato. Lloris, porém, também teve pouco trabalho. As melhores finalizações, dos dois atacantes, foram na direção errada.

Os dois times mostraram respeito. Nenhuma seleção quis se arriscar muito. Também houve alguns lances individuais bonitos no primeiro tempo. Mas Hernanes não soube participar e estragou o enredo: acertou um chute em Benzema quando o francês tentava o segundo “chapéu” seguido no meio-campo. Cartão vermelho direto para o meia brasileiro aos 39min do primeiro tempo.

“Vamos dar a vida por ele. Foi uma falta que pegou. No amistoso dá para relevar algumas coisas, mas o juiz foi rigoroso e aplicou a regra”, avaliou Elias, prometendo ainda mais empenho para compensar a expulsão e amenizar o erro de Hernanes.

Thiago Silva deu um exemplo disso no início do segundo tempo: ele se atirou na bola em chute muito perigoso de Benzema e conseguiu salvar. O Brasil passou a jogar recuado para explorar os erros da França. O que Mano não esperava era que, aos 9min, Benzema estufasse as redes: Menez cruzou rasteiro da direita, Julio Cesar não alcançou, mas o camisa 10, sim: 1 a 0 França.

De volta à seleção, Julio Cesar impediu uma goleada logo na sequência, fazendo grandes defesas em duas novas tentativas de Benzema. O camisa 10 da França ainda mandou uma bola rente ao ângulo esquerdo e no final infernizou os zagueiros com jogada individual.

Para não transformar a derrota em algo ainda mais traumático, Mano retrancou o Brasil. Sacou Robinho e colocou o volante Sandro em campo. O Brasil até assustou uma vez com André Santos pela esquerda, mas não passou de um susto. Quem gostou foi Benzema, o nome do jogo que viveu uma noite de Zinedine Zidane, com direito a aplausos de um Stade de France cheio.