Atraso de obras da Copa preocupa Zico

O ex-meio-campista Zico, que fez palestra ontem à noite em Cuiabá, está preocupado com o atraso das obras nas cidades que vão sediar partidas da Copa do Mundo de 2014. “O atraso está muito grande. As pessoas acham que vão resolver tudo da noite para o dia. Um ano passa rápido e em 2012 a …

18/02/2011 07:36



O ex-meio-campista Zico, que fez palestra ontem à noite em Cuiabá, está preocupado com o atraso das obras nas cidades que vão sediar partidas da Copa do Mundo de 2014.

“O atraso está muito grande. As pessoas acham que vão resolver tudo da noite para o dia. Um ano passa rápido e em 2012 a infra-estrutura tem de estar 70% concluída”, afirmou o “Galinho”, durante entrevista na Agecopa. “Se o Brasil não passar no teste da Copa das Confederações, a Fifa ainda poderá cancelar a realização da Copa no Brasil”.

Zico tem experiência no que diz. Como jogador da seleção brasileira, disputou três Copas do Mundo: Argentina (1978), Espanha (1982) e México (1986).

Nos últimos cinco meses, tem viajado por todas as cidades-sedes da Copa do Mundo e está preocupado com o andamento das obras em todas elas. Em Cuiabá, apenas as obras da Arena Mulitiuso do Verdão estão em andamento. O projeto do BRT (Bus Rapid Transit) precisou ser devolvido para a empresa que o elaborou para ajustes.

Zico, no entanto, permanece otimista. Ele acredita que nada mais justo do que uma Copa no país e pediu, inclusive, o apoio da população. “As pessoas terão de ter paciência. O início é sempre muito difícil, mas o legado certamente será positivo. Ele acredita que o Mundial poderá, inclusive, deixar um legado para o próprio futebol local.

O ex-jogador também cobrou a participação da população em observar e exigir que as obras de fato aconteçam dentro dos prazos. “A população merece esse esforço dos nossos dirigentes”. Além da Agecopa, o ex-craque esteve no Palácio Paiaguás, onde foi recebido pelo governador Silval Barbosa (PMDB).

Zico também fez um pedido aos dirigentes mato-grossenses: mais empenho para que as equipes locais voltem à elite do futebol nacional. “Já joguei contra grandes equipes aqui. E conheço jogadores excelentes que nasceram em Mato Grosso e hoje estão lá fora. O Estado tem condições, sim, de formar grandes atletas, basta investir nas bases”.

Ele citou a visita ao Centro de Treinamento do União, em Rondonópolis, onde encontrou crianças e jovens treinando. “Como é bom ver um espaço maravilhoso daqueles com crianças formadas dentro do próprio clube. É assim que se formam grandes equipes”, comemorou. “O grande jogo de ontem [quarta-feira] foi um exemplo disso”. A convite da diretoria do Colorado, o ex-craque esteve em Rondonópolis assistindo ao empate entre União e Guarani em 4 a 4, pela Copa do Brasil.

Prestes a completar 58 anos, Zico é considerado um dos grandes jogadores do futebol mundial e o maior ídolo da história do Flamengo. Nascido Arthur Antunes Coimbra, em março de 1953 no Rio de Janeiro, ele carrega o apelido desde a infância.

Começou sua carreira pelo Flamengo, time pelo qual venceu quatro campeonatos brasileiros, uma Taça Libertadores da América e o Mundial Interclubes. É o maior artilheiro da história do estádio do Maracanã, com 333 gols em 435 partidas. Marcou 135 gols em campeonatos brasileiros. Além do Flamengo, defendeu o Udineses (Itália) e o Kashima Antlers (Japão).

Zico fez ontem à noite uma palestra no Cenarium Rural, em Cuiabá. A um público formado por empresários e fãs, ele falou da necessidade de se trabalhar em equipe.