Inflação do aluguel avança com alta em preços de matérias-primas

O IGP-M (Índice Geral de Preços – Mercado), usado no reajuste de contratos de aluguel, avançou na segunda prévia de fevereiro, e ficou em 0,88% – acima do 0,63% visto na abertura do mês. Os preços das matérias-primas continuaram a exercer a maior influência. Já para o consumidor, os preços dos alimentos tiveram leve queda. …

18/02/2011 11:37



O IGP-M (Índice Geral de Preços – Mercado), usado no reajuste de contratos de aluguel, avançou na segunda prévia de fevereiro, e ficou em 0,88% – acima do 0,63% visto na abertura do mês. Os preços das matérias-primas continuaram a exercer a maior influência. Já para o consumidor, os preços dos alimentos tiveram leve queda. Os dados foram divulgados nesta sexta-feira (18) pela FGV (Fundação Getulio Vargas).
O índice referente a matérias?primas brutas ficou em 2,86% (contra 1,03% um mês antes). Os itens que mais afetaram o indicador foram: minério de ferro, milho em grão e algodão em caroço; já os preços de aves, soja em grão e leite in natura subiram menos ou caíram.
O IPC (Índice de Preços ao Consumidor), por sua vez, ficou em 0,54% (abaixo do 0,85% na segunda prévia de janeiro). O indicador referente ao grupo alimentação apontou leve queda de 0,07% – revertendo a alta de 1,33% vista há um mês. As maiores contribuições para esse resultado vieram dos itens: frutas, carnes bovinas e hortaliças e legumes.
Também subiram menos ou caíram os preços nos grupos vestuário e saúde e cuidados pessoais, com destaque para os itens: roupas e artigos de higiene e cuidado pessoal. Já os preços do cigarro, da passagem de ônibus urbano, do aluguel residencial e dos cursos não formais subiram.
O INCC (Índice Nacional de Custo da Construção) ficou em 0,42% na leitura apresentada hoje – acima do 0,38% visto há um mês. Os preços de materiais, equipamentos e serviços tiveram avanço em relação à segunda prévia de janeiro, mas o custo da mão de obra desacelerou, na mesma comparação.

O IGP-M (Índice Geral de Preços – Mercado), usado no reajuste de contratos de aluguel, avançou na segunda prévia de fevereiro, e ficou em 0,88% – acima do 0,63% visto na abertura do mês. Os preços das matérias-primas continuaram a exercer a maior influência. Já para o consumidor, os preços dos alimentos tiveram leve queda. Os dados foram divulgados nesta sexta-feira (18) pela FGV (Fundação Getulio Vargas).
O índice referente a matérias?primas brutas ficou em 2,86% (contra 1,03% um mês antes). Os itens que mais afetaram o indicador foram: minério de ferro, milho em grão e algodão em caroço; já os preços de aves, soja em grão e leite in natura subiram menos ou caíram.
O IPC (Índice de Preços ao Consumidor), por sua vez, ficou em 0,54% (abaixo do 0,85% na segunda prévia de janeiro). O indicador referente ao grupo alimentação apontou leve queda de 0,07% – revertendo a alta de 1,33% vista há um mês. As maiores contribuições para esse resultado vieram dos itens: frutas, carnes bovinas e hortaliças e legumes.
Também subiram menos ou caíram os preços nos grupos vestuário e saúde e cuidados pessoais, com destaque para os itens: roupas e artigos de higiene e cuidado pessoal. Já os preços do cigarro, da passagem de ônibus urbano, do aluguel residencial e dos cursos não formais subiram.
O INCC (Índice Nacional de Custo da Construção) ficou em 0,42% na leitura apresentada hoje – acima do 0,38% visto há um mês. Os preços de materiais, equipamentos e serviços tiveram avanço em relação à segunda prévia de janeiro, mas o custo da mão de obra desacelerou, na mesma comparação.