Piracema acaba na próxima 2ª em Mato Grosso

Termina na próxima segunda-feira (28) a Piracema, período em que a pesca está proibida para que os peixes se reproduzam. Desde novembro não é permitido pescar. O levantamento com apreensões, autuações e fiscalizações feitas deverá ser divulgado posteriormente pela Secretaria Estadual de Meio Ambiente. Na regional de Sinop, algumas fiscalizações foram realizadas. A mais recente, …

22/02/2011 13:02



Termina na próxima segunda-feira (28) a Piracema, período em que a pesca está proibida para que os peixes se reproduzam. Desde novembro não é permitido pescar. O levantamento com apreensões, autuações e fiscalizações feitas deverá ser divulgado posteriormente pela Secretaria Estadual de Meio Ambiente.

Na regional de Sinop, algumas fiscalizações foram realizadas. A mais recente, na última semana, acabou apreendendo aproximadamente 70 quilos de pescado que estavam sendo comercializados em mercados de Sorriso e Vera. Não havia nota que comprovasse a origem dos produtos, que foram doados a entidades posteriormente.

No início do mês, na região de Itaúba (100 km de Sinop), foram apreendidos 21 molinetes, seis redes, um motor de poupa, mais de 70 anzóis, além de 30 anzóis de galhos durante fiscalização. Na ocasião, pelo menos 46 peixes que estavam presos em redes e gaiolas voltaram para o rio. Não houve autuações já que não foram encontrados responsáveis.

Na regional de Tangará da Serra, no início deste mês foram apreendidos 100 quilos de pescado irregular, além de barcos com motor e tarrafa e, na regional de Alta Floresta, onde em dezembro foram identificados 82 quilos de pescado irregular.

A piracema é um processo natural que ocorre em ciclos anuais e consiste na migração das espécies reofílicas rumo à cabeceira dos rios, buscando alimentos e condições adequadas para o desenvolvimento, principalmente das larvas e dos ovos. A desova pode ocorrer ao longo do trecho do rio e não necessariamente nas cabeceiras, dependendo das condições naturais locais – alto nível de água do rio e águas oxigenadas e turvas que atendem à necessidade de desenvolvimento e proteção (amparo) contra a predação.