Extinção da Agecopa é discutida na AL

O deputado estadual Emanuel Pinheiro (PR) vai apresentar hoje um projeto que altera o modelo de gestão da Agência de Execução das Obras da Copa Mundo (Agecopa). Pela proposta, ela deixará de ser uma autarquia independente para ser uma secretaria do governo do Estado. O argumento principal é de que o atual modelo é “falido …

23/02/2011 08:08



O deputado estadual Emanuel Pinheiro (PR) vai apresentar hoje um projeto que altera o modelo de gestão da Agência de Execução das Obras da Copa Mundo (Agecopa). Pela proposta, ela deixará de ser uma autarquia independente para ser uma secretaria do governo do Estado. O argumento principal é de que o atual modelo é “falido e funciona de forma desorganizada”, conforme o deputado republicano. Há um descontentamento entre os parlamentares sobre a concepção da Agência.

A Agecopa foi instalada em novembro de 2009, sendo o projeto criado pelo governo e aprovado pela Assembleia Legislativa. Os sete diretores e o diretor-presidente também foram sabatinados pela Assembleia antes da nomeação pelo governador. A Agência é responsável pelo planejamento, execução, controle, fiscalização e coordenação dos projetos especiais do Governo destinados a viabilizar a Copa do Mundo em Mato Grosso.

Emanuel Pinheiro argumenta que em nenhum dos outros 11 estados onde a Copa vai ser realizada existe um modelo igual ao de Mato Grosso. “Esse modelo colegiado não vinga. A Agecopa é uma mesa-redonda sem cabeceira, não há decisões, as coisas emperram no caminho. Suas decisões são de forma desorganizada”, disse o deputado.

Para ele, a Agência deve ser uma secretaria com hierarquia de subordinados ao governo para que a haja mais agilidade na execução dos projetos e também mais transparência. “Precisamos abrir a Agecopa, a Assembleia não tem acesso, fica todo mundo por fora do que está acontecendo realmente, mesmo”, disse Pinheiro.

A proposta vai gerar muita polêmica. Líder do governo na Assembleia, o deputado Romoaldo Júnior (PMDB) afirma que o governo não vai dar apoio a esse projeto, uma vez que a criação foi aprovada pelo Legislativo e que os trabalhos estão avançando.

Presidente da Assembleia Legislativa, o deputado José Riva (PP), embora não concorde com a extinção da Agecopa, defende que o modelo deve ser aperfeiçoado. “Eu vejo esse modelo colegiado com muita desconfiança. Mas não podemos menosprezar o trabalho realizado até agora. Podemos ter errado no modelo de gestão, mas podemos fazer algumas alterações. No entanto, isso deve ser feito junto com o governador”, disse o deputado.

Riva ainda adiantou que irá marcar uma audiência com o governador, outros deputados e diretores da Agecopa para debater o assunto.

O deputado Sérgio Ricardo (PR) afirmou ontem que não tem conhecimento desse projeto e por isso não poderia comentá-lo. No entanto, defendeu que Silval Barbosa deve assumir com mais propriedade o comando das ações da Agecopa, ficando o diretor-presidente, Yênes Magalhães, “como um assessor especial do governador”. “Tenho bastante preocupação com relação às obras da Agecopa. Já deveríamos ter os projetos prontos, as licitações em estágio avançado e obras nas ruas”, disse o deputado Sérgio Ricardo.

As conjecturas apontam que a atitude de Pinheiro está relacionada a uma audiência pública, indicada por ele, na Assembleia, na qual nenhum representante da Agecopa compareceu. “Ele se sentiu desprestigiado”, disse a fonte, que ainda complementou afirmando que a situação só ocorreu por falha na comunicação.

A audiência foi realizada na semana passada. Apesar de a sede da Agecopa estar localizada em Cuiabá, nenhum representante foi encaminhado para integrar as discussões no Poder Legislativo.