Um milhão de computadores podem estar infectados por e-mails indesejados.

Produtora mundial de softwares, a Microsoft diz que pode haver 1 milhão de computadores infectados em todo o mundo com o malware (programa mal-intencionado) Rustock, enviando até 30 bilhões de mensagens de spam (e-mail indesejado) por dia sem o conhecimento de seus usuários. A rede Rustock era responsável por muitas trapaças associadas a preços de …

18/03/2011 16:23



Produtora mundial de softwares, a Microsoft diz que pode haver 1 milhão de computadores infectados em todo o mundo com o malware (programa mal-intencionado) Rustock, enviando até 30 bilhões de mensagens de spam (e-mail indesejado) por dia sem o conhecimento de seus usuários.

A rede Rustock era responsável por muitas trapaças associadas a preços de loteria e a ofertas de produtos farmacêuticos que muitos usuários americanos de e-mail se acostumaram a receber.

A Microsoft informou que está trabalhando com provedores de acesso à internet e com equipes em todo o mundo para ajudar os usuários a remover o Rustock de suas máquinas. A produtora de software também assumiu o crédito pela derrubada de um dos maiores produtores de e-mails comerciais não solicitados, os famosos spams, em uma operação conjunta com as autoridades americanas.

A empresa anunciou que seu processo judicial contra a operadora da botnet (rede de computadores infectados programados para enviar spam) resultou em buscas conduzidas na quinta-feira (17) em diversos pontos dos Estados Unidos, causando o fechamento da rede.

Blogs de tecnologia de segurança que acompanham as atividades das botnets em todo o mundo perceberam uma queda acentuada no spam gerado pela rede Rustock, que algumas estimativas consideram responsável por cerca de metade do spam que chega aos computadores. No entanto, eles afirmaram que o desaparecimento total requer esforços a longo prazo.

Depois de obter um mandado de um tribunal federal em Seattle contra os operadores da botnet, a Microsoft disse ter colaborado com policiais federais americanos a fim de realizar buscas em operadores da rede em sete cidades dos Estados Unidos, na manhã de  quinta-feira, entre elas Denver, Dallas, Chicago, Seattle e Columbus.