Alimentação deve ser controlada desde o início da vida, diz especialista

O sobrepeso atinge mais de 30% das crianças com idades entre cinco e nove anos e aproximadamente 20% da população entre dez e 19 anos, segundo dados do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). Na fase adulta, os dados são ainda mais assustadores, 48% das mulheres e 50,1% dos homens, com mais de 20 …

30/03/2011 13:24



O sobrepeso atinge mais de 30% das crianças com idades entre cinco e nove anos e aproximadamente 20% da população entre dez e 19 anos, segundo dados do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). Na fase adulta, os dados são ainda mais assustadores, 48% das mulheres e 50,1% dos homens, com mais de 20 anos, estão acima do peso.

Para evitar o risco de obesidade na fase adulta, é importante que os pais controlem a alimentação da criança desde a fase da alimentação. Segundo o endocrinologista Fadlo Fraige Filho, da Beneficência Portuguesa de São Paulo, “uma criança superalimentada nos dois primeiros anos de vida tem maior possibilidade de ser uma pessoa obesa no futuro, pois o tecido adiposo se forma com maior quantidade de células”.

Além disso, a falta de exercícios físicos contribui para o aumento de pesos, tanto em crianças quanto em adultos. O especialista acredita que aparelhos eletrônicos como vídeo game e computador fazem com que as crianças se exercitem cada vez menos. Para ele, os games atuais, com sensor de movimento podem ser opção para driblar o sedentarismo, pois eles fazem as crianças se movimentarem para jogar.

Exercícios físicos

Ainda segundo Fraige Filho, brincadeiras que envolvem atividade física devem ser incentivadas por pais e professores. O especialista explica ainda que, na fase adulta, o sedentarismo fica cada vez mais difícil de ser revertido. A falta de exercícios, agregada à má alimentação é a principal combinação para o sobrepeso.

O ortopedista da Beneficência Portuguesa de São Paulo, Waldo Lino Júnior, afirma que a prática de atividade física deve ser contínua e disciplinada. O ideal é realizá-la ao menos quatro vezes por semana. Ele explica ainda que interrupção da prática de exercícios pode provocar alterações no organismo de quem praticou esporte de forma regular.

“A pessoa está habituada a fazer esporte, mas se ela deixa de se exercitar por mais de seis meses o corpo vai se comportar como o organismo de um sedentário”, afirma o ortopedista.

Caminhadas

Segundo Lino Júnior, a obesidade traz diversos problemas ortopédicos como o pé chato, joelhos arqueados – que podem causar o desvio da patela (osso do joelho) – e uma hiperlordose (curvatura acentuada na parte inferior da coluna) por causa do peso da barriga.

Para tentar reverter o sobrepeso, além do controle alimentar, a dica é começar com exercícios leves que não exerçam muita pressão sobre os membros. “Correr ou subir escadas faz com que o joelho sinta a pressão equivalente a dez vezes o peso da pessoa. Não são atividades recomendadas para indivíduos acima do peso”, alerta.

 O especialista lembra, no entanto, que não é normal sentir dores durante a prática de exercícios, pois elas sinalizam que algo está sendo feito de maneira errada. Por isso, ele afirma que é importante fazer alongamentos antes e depois das atividades. Além disso, as caminhadas devem ser praticadas em superfícies planas, de forma contínua, mantendo o mesmo ritmo do início ao final do exercício e sempre com roupas e calçados adequados.

fonte: eBand