Comissão Processante vai ouvir Murilo e Tião dia 8

Na próxima sexta-feira, dia 8 de abril, a Comissão Processante da Câmara Municipal de Várzea Grande vai ouvir o prefeito afastado Murilo Domingos (PR), o vice, Tião da Zaeli, e mais 18 testemunhas arroladas pelos dois. O vereador Hilton Gusmão (PV) acredita que na semana seguinte a Comissão já terá o relatório pronto, pedindo a …

03/04/2011 10:16



Na próxima sexta-feira, dia 8 de abril, a Comissão Processante da Câmara Municipal de Várzea Grande vai ouvir o prefeito afastado Murilo Domingos (PR), o vice, Tião da Zaeli, e mais 18 testemunhas arroladas pelos dois. O vereador Hilton Gusmão (PV) acredita que na semana seguinte a Comissão já terá o relatório pronto, pedindo a cassação, ou não, dos dois, para se levado em votação plenária.

Murilo Domingos e Tião da Zaeli foram afastados do cargo no dia três de março, em votação unânime da Câmara Municipal. Foi montada uma Comissão Processante para analisar as denúncias de irregularidades da gestão. O prazo para concluir os trabalhos é de 180 dias, mas os vereadores devem chegar à conclusão do processo em dois meses. O vereador Hilton Gusmão diz que não só os vereadores, mas a população, que querem agilidade nesse trabalho, por isso o empenho para terminar o mais rápido possível.

Entre as testemunhas de Murilo estão o deputado estadual Emanuel Pinheiro, secretário-geral do PR, e ex-secretários de seu governo.

O afastamento dos dois foi motivado por denúncias de irregularidades e também pela reprovação das contas anuais pela Câmara, que se baseou no relatório do Tribunal de Contas do Estado (TCE). Em novembro do ano passado, o TCE reprovou as contas e determinou a devolução de R$ 3,5 milhões aos cofres públicos por diversas despesas ilegítimas, pelo prefeito e o vice.

Foram apontadas diversas irregularidades gravíssimas, como o não cumprimento de investimentos mínimos com o Fundeb, que é de 60%. A prefeitura teria investido apenas 57,87%. As contas foram enviadas para o Ministério Público Estadual, que vai analisar as denúncias.

Pesam contra Murilo diversas ações na Justiça por atos de improbidade administrativa. Com tudo isso, o desgaste da imagem do prefeito é muito grande, o que causou pressão nos vereadores.

fonte: Diário de Cuiabá