Escassez de grãos pode beneficiar o Brasil

Apesar de terem se acomodado em níveis inferiores aos alcançados logo após a divulgação do último relatório, soja e milho mostram sustentação positiva na Bolsa de Chicago pelo menos até o início de 2012, defende o analista da Telvent DTN Darin Newsom. “As perspectivas de preço são muito boas para o milho, e a soja …

06/04/2011 08:33



Apesar de terem se acomodado em níveis inferiores aos alcançados logo após a divulgação do último relatório, soja e milho mostram sustentação positiva na Bolsa de Chicago pelo menos até o início de 2012, defende o analista da Telvent DTN Darin Newsom. “As perspectivas de preço são muito boas para o milho, e a soja vai ter que acompanhar, sob o risco de perder área ainda maior para o cereal”, pontua Steve Cachia, da Cerealpar.

A tendência altista que levou a oleaginosa de volta para a casa dos US$ 14 o bushel (27,2 quilos) e fez o milho ultrapassar os US$ 7 o bushel (25,4 quilos) – níveis muito próximos aos recordes de preço de 2008 – chega num momento em que mais da metade da produção brasileira de soja já está comprometida. Mas nem por isso limita as oportunidades de ganhos para o produtor.

“Os EUA devem terminar a temporada com estoques de grãos praticamente zerados e os compradores terão que buscar outras origens, como o Brasil”, explica Cachia. Para ele, conforme a safra sul-americana caminha para o encerramento, o mercado tende a ficar cada vez mais sensível ao que acontece no Hemisfério Norte, “principalmente ao clima nos EUA”. “Tudo isso significa preços em alta, mas também muita volatilidade”, completa Newsom.