Alguns postos ainda mantêm litro a R$ de 2,06 na bomba

Pelo menos 40% dos postos revendedores de combustíveis de Cuiabá ainda não adotaram o último aumento do etanol. Enquanto a maioria alterou os preços na bomba para preços entre R$ 2,18 a R$ 2,30, muitos estabelecimentos mantém os preços “antigos” de R$ 2,06 e R$ 2,07. Há quem fale que os preços não serão mais …

07/04/2011 08:28



Pelo menos 40% dos postos revendedores de combustíveis de Cuiabá ainda não adotaram o último aumento do etanol. Enquanto a maioria alterou os preços na bomba para preços entre R$ 2,18 a R$ 2,30, muitos estabelecimentos mantém os preços “antigos” de R$ 2,06 e R$ 2,07. Há quem fale que os preços não serão mais alterados por causa da safra de cana-de-açúcar que está chegando. Diretores do Sindicato dos Revendedores de Derivados de Combustíveis do Estado (Sindipetróleo) não foram localizados ontem para falar sobre a “dança” dos preços dos combustíveis no mercado local.

Com preços sem o último reajuste, Cuiabá passa a ser a única Capital brasileira onde abastecer com etanol é mais vantajoso. Porém, a vantagem está no limite (69% do preço da gasolina). Os estudos mostram que abaixo de 70%, o etanol é a melhor opção para o consumidor.

“Não sabemos os motivos de não termos alterado os preços da bomba” disse uma fonte ligada à gerência do posto Santa Elisa. “Bandeirado” pela Petrobras, o estabelecimento não mexeu nos preços. “O dono do posto disse que iria manter os preços. Não sabemos se continuará sem o aumento”.

Na Avenida Miguel Sutil, a maioria dos postos decidiu manter os preços. Postos da bandeira Petrobras e da rede Free ainda praticam preços anteriores à última alta. Mas há estabelecimentos com a bandeira Petrobras que optaram por aumentar os preços. É o caso do Vip, na Miguel Sutil, e outros três da Avenida Rubens de Mendonça e do bairro Morada da Serra.

O gerente do Posto Amazônia, na Avenida Miguel Sutil – que preferiu não divulgar o nome – afirmou que a “companhia” [Petrobras] ainda não repassou o aumento à distribuidora. Segundo ele, a rede Amazônia conta com 12 revendas na Grande Cuiabá e nenhuma delas mexeu nos preços. “Os preços na nossa rede giram em torno de R$ 2,06 a R$ 2,07. Por enquanto não temos nenhuma orientação no sentido de alterar os valores da bomba”, disse o gerente.

Para João Paulo Hamed, gerente de uma revenda na Avenida Miguel, os postos que ainda não mexeram nos preços estão sendo abastecidos com “combustível velho” das distribuidoras. Ele acredita que novas compras de etanol das companhias poderão ser repassadas com o último reajuste aos postos. Levantamento realizado ontem pelo Diário mostrou que praticamente todas as revendas “bandeira branca” alteraram seus preços.

CONSUMIDORES – Enquanto há preço ‘velho’ na bomba, os consumidores se aproveitam para encher o tanque dos carros. “Cheguei a abastecer com preços de até R$ 2,30. Não sabia que alguns postos ainda praticavam o preço velho. Mas, como ando muito e esgotei o tanque no decorrer da semana, passei a abastecer só nos postos onde os preços ainda estão inalterados”, disse o vendedor Carlos Henrique Lima Duarte.

Para encher o tanque do carro modelo Saveiro, Carlos Henrique chegou a desembolsar R$ 115 pagando R$ 2,30/litro. Abastecendo a R$ 2,06, ele gasta R$ 103 e economiza R$ 12 em cada abastecimento. “Não percebi que abastecendo com etanol a R$ 2,30, estava levando prejuízo, já que a gasolina é mais vantajosa por apresentar maior autonomia”, disse ele. A economia, caso o motorista abasteça um tanque por semana, chega a R$ 48 no mês.

fonte: Diário de Cuiabá