Em ata, Copom fala de alta de juros “suficientemente prolongada”

Na ata do encontro, divulgada nesta quinta-feira, a autoridade monetária afirmou que, de forma unânime, os membros entendem que, “diante das incertezas quanto ao grau de persistência das pressões inflacionárias recentes, e da complexidade que envolve hoje o ambiente internacional, o ajuste total da taxa básica de juros deve ser, a partir desta reunião, suficientemente …

28/04/2011 14:19



Na ata do encontro, divulgada nesta quinta-feira, a autoridade monetária afirmou que, de forma unânime, os membros entendem que, “diante das incertezas quanto ao grau de persistência das pressões inflacionárias recentes, e da complexidade que envolve hoje o ambiente internacional, o ajuste total da taxa básica de juros deve ser, a partir desta reunião, suficientemente prolongado”.

Na visão da maioria dos integrantes do Copom, a alta de 0,25 ponto na taxa é suficiente, uma vez que “um substancial esforço anti-inflacionário já foi introduzido na economia no último quadrimestre e que há defasagens no mecanismo de transmissão desse esforço para a atividade e para os preços”.

A autoridade monetária pontuou que, com a decisão de prolongar o ciclo de ajuste, seria necessária uma reavaliação da estratégia de política monetária.

Os dois integrantes que defendiam a alta de 0,5 ponto, por sua vez, entendiam que a manutenção do ritmo de alta – nas duas reuniões anteriores em 2011 a elevação da Selic havia sido de 0,5 ponto – mitigaria os riscos de que as pressões inflacionárias se transmitissem para o cenário prospectivo.

“Considerando o balanço de riscos para a inflação, o ritmo ainda incerto de moderação da atividade doméstica, bem como a complexidade que ora envolve o ambiente internacional, o Comitê entende que, neste momento, a implementação de ajustes das condições monetárias por um período suficientemente prolongado é a estratégia mais adequada para garantir a convergência da inflação para a meta em 2012”, apontou o BC, na ata.

O Copom volta a se reunir no próximo dia 7 de junho para definir os rumos da taxa Selic, que está atualmente em 12% ao ano. Entre os analistas de mercado a avaliação é de que o Banco Central deve elevar a taxa em, pelo menos, mais 0,25 ponto.  

 fonte:IG