Ministro diz que criação de 3 milhões de empregos em 2011 “não é palpite”

O ministro do Trabalho, Carlos Lupi, voltou a questionar neste domingo (1º), durante evento do 1º de Maio, o estudo do Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada) que prevê a criação de 1,7 milhão de empregos em 2011. Ele, que no meio da semana já havia falado que o Brasil vai criar 3 milhões, disse …

01/05/2011 20:07



O ministro do Trabalho, Carlos Lupi, voltou a questionar neste domingo (1º), durante evento do 1º de Maio, o estudo do Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada) que prevê a criação de 1,7 milhão de empregos em 2011. Ele, que no meio da semana já havia falado que o Brasil vai criar 3 milhões, disse que o número “não é um palpite”, mas baseado em dados do Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados).
– Eu costumo acertar mais do que muitos institutos, que trabalham apenas com as sete grandes regiões metropolitanas. Eu trabalho com Caged, que mede, com dados oficiais, as mais de 7,3 milhões de empresas do Brasil inteiro.
O Ipea apontou que mais de 1 milhão de trabalhadores com experiência e qualificação profissional permanecerão desempregados no país, mesmo com o aumento dos postos de trabalho durante o ano. O principal motivo para acreditar nessas estimativas, segundo o Ipea, são a expansão de 7,5% da soma das riquezas brasileiras em 2010 e a possibilidade de crescimento na casa de 5% neste ano.
Segundo o ministro, além de a previsão de novas vagas no país ser maior do que o instituto estima, será maior também que a marca de 2,5 milhões do ano passado.
– Não é palpite, não é pesquisa, são números. Eu tenho esse ano, cerca de 600 mil empregos gerados. Eu acredito que será melhor que o ano passado, que gerou 2,5 milhões.
Segundo Lupi, porém, para que os empregos continuem a ser criados no país, o governo precisa controlar a inflação.
– Temos que controlar a inflação, mas sem matar nossa galinha dos ovos dinheiro, que é o emprego.

Fonte:R7