IGPM sobe no 2º decêndio de maio puxado por IPC e INCC

O Índice Geral de Preços – Mercado (IGP-M) registrou variação de 0,66% no segundo decêndio de maio deste ano, segundo informações divulgadas hoje pela Fundação Getúlio Vargas (FGV). No mês anterior, para o mesmo período de coleta, a variação foi de 0,55%. Dentre os componentes do indicador, o Índice de Preços ao Produtor Amplo (IPA) …

18/05/2011 13:38



O Índice Geral de Preços – Mercado (IGP-M) registrou variação de 0,66% no segundo decêndio de maio deste ano, segundo informações divulgadas hoje pela Fundação Getúlio Vargas (FGV). No mês anterior, para o mesmo período de coleta, a variação foi de 0,55%.

Dentre os componentes do indicador, o Índice de Preços ao Produtor Amplo (IPA) apresentou taxa de 0,40%, ante 0,51% em abril. A variação dos Bens Finais recuou de 0,91% para 0,15%. A maior contribuição para esta desaceleração teve origem no subgrupo alimentos processados, cuja taxa passou de 0,96% para -0,85%.

A taxa de variação do grupo Bens Intermediários passou de 0,51%, em abril, para 0,75% em maio. O destaque coube ao subgrupo materiais e componentes para a manufatura, cuja taxa passou de 0,58% para 0,88%.

O índice referente a Matérias-Primas Brutas teve variação elevada de 0,07% para 0,24%. Os itens que mais contribuíram para o movimento foram: minério de ferro (0,18% para 9,19%), cana-de-açúcar (3,61% para 11,27%) e mandioca (aipim) (-7,34% para 0,87%). Em sentido oposto, destacam-se: algodão (em caroço) (-1,69% para -21,49%), soja (em grão) (-1,24% para -3,45%) e laranja (-9,52% para -21,35%).

Por sua vez, o Índice de Preços ao Consumidor (IPC) avançou para 0,97%, ante 0,65%, no mesmo período do mês anterior. Das 7 classes de despesa componentes do índice, 6 registraram acréscimos em suas taxas de variação, com destaque para o grupo Alimentação (0,64% para 1,09%). Nesta classe de despesa, as maiores contribuições partiram dos itens: hortaliças e legumes (2,71% para 5,92%), panificados e biscoitos (-0,37% para 0,73%) e laticínios (1,48% para 2,40%).

Também tiveram acréscimos os grupos: Vestuário (0,97% para 1,61%), Habitação (0,31% para 0,71%), Saúde e Cuidados Pessoais (0,72% para 1,11%), Despesas Diversas (0,29% para 0,48%) e Educação, Leitura e Recreação (0,29% para 0,31%). Nestas classes de despesa, vale mencionar o comportamento dos preços dos itens: roupas (0,98% para 2,05%), tarifa de eletricidade residencial (0,21% para 1,73%), medicamentos em geral (1,02% para 3,26%), cigarro (0,86% para 1,13%) e show musical (-0,56% para 1,75%), respectivamente.

Em sentido oposto, apresentou recuo em sua taxa de variação o grupo Transportes (1,71% para 1,61%). Os itens que mais influenciaram a desaceleração deste grupo foram: álcool combustível (15,58% para 0,25%) e seguro facultativo para veículo (2,18% para -0,16%), respectivamente.

Por fim, o Índice Nacional de Custo da Construção (INCC) apresentou, no segundo decêndio de maio, variação de 1,67%. Em abril, a taxa foi de 0,50%. O índice relativo a Materiais, Equipamentos e Serviços variou 0,50%. No mês anterior, a taxa havia sido de 0,27%. O índice que representa o custo da Mão de Obra registrou taxa de 2,90%. Na apuração referente ao mesmo período do mês anterior, o índice variou 0,74%.

Fonte:JB