Aumento do pão pode chegar a 8% até o final do mês

Depois dos reajustes dos custos da farinha e de alguns insumos para a panificação, o aumento dos salários para os empregados do setor, cuja data-base do dissídio foi 1º de junho, deve determinar novos preços para o pão. A projeção feita pelo presidente do Sindicato dos Panificadores de Pelotas (Sindippel), Mário Medeiros Filho, indica que …

08/06/2011 10:40



Depois dos reajustes dos custos da farinha e de alguns insumos para a panificação, o aumento dos salários para os empregados do setor, cuja data-base do dissídio foi 1º de junho, deve determinar novos preços para o pão. A projeção feita pelo presidente do Sindicato dos Panificadores de Pelotas (Sindippel), Mário Medeiros Filho, indica que o produto deverá custar entre 6% e 8% mais caro até o final deste mês. Atualmente, o quilo do pão francês é vendido por entre R$ 4,20 nas padarias dos bairros e R$ 6,80 nas da área central da cidade.

Os índices de reajuste projetados servem praticamente apenas para repor a inflação do último ano, segundo Mário Filho, considerando que deverá ser repassado o aumento do custo da mão de obra para o setor, que representa 30% do faturamento bruto das padarias. Seguindo o mesmo índice do reajuste do piso estadual, os salários dos empregados pode ter aumento de 12%. Reunião para discutir o dissídio dentro do Sindippel deverá ocorrer nos próximos dias.

Café da manhã mais caro
Para o consumidor pelotense, de acordo com a pesquisa do Procon nos supermercados, o café da manhã já custa mais caro. Além do açúcar, o café teve um reajuste médio de 1,67%, o achocolatado, de 2,38% e o próprio pãozinho, de 2,27%. Já o iogurte foi majorado em 12,82% e a margarina em 5,76%, com a falta de alguns derivados do leite, segundo Mário Filho.

Nas frutas, o maior aumento foi verificado no quilo do mamão, de 14,94%; na maçã, ficou em 2,17%. Nos derivados de suínos, não houve aumentos, de acordo com o presidente do Sindippel. Pela pesquisa do Procon, ocorreu o contrário: o quilo do presunto magro fatiado teve uma queda de 3,92% no preço. 

Fonte:Diario Popular