Palocci não suporta a pressão e sai

08/06/2011 09:57



O ministro Antonio Palocci acaba de encaminhar à presidenta Dilma Rousseff o seu pedido de demissão como ministro-chefe da Casa Civil, após denúncias sobre sua evolução patrimonial reportagem publicada pelo jornal Folha de S.Paulo. No período de 2000 a 2006, em que ele atuou deputado federal, o patrimônio do ministro teria aumentado 20 vezes. Palocci coordenou a campanha eleitoral de Dilma à presidência e em seguida assumiu a equipe de transição. É a primeira baixa do alto escalão do governo da presidenta.

É a segunda vez que Palocci é afastado do governo depois de se envolver em crises políticas. Em 2006, ele deixou o cargo de ministro da Fazenda do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva ,após o escândalo da quebra do sigilo bancário do caseiro Francenildo dos Santos Costa. Ontem o procurador-geral da República (PGR), Roberto Gurgel, arquivou as representações contra Palocci. A PGR recebeu quatro representações contra o ministro que pediam abertura de inquérito para investigar a evolução patrimonial do ministro nos últimos anos.

O secretário-geral da Presidência da República, ministro Gilberto Carvalho, havia afirmado antes que a situação do ministro da Casa Civil, Antonio Palocci, depende exclusivamente da avaliação da presidenta Dilma Rousseff. Ao chegar ao Palácio da Alvorada para o almoço oferecido pela presidenta Dilma a parlamentares do PTB, Carvalho disse que ainda não havia conversado hoje com a presidenta sobre a permanência de Palocci no governo. “A permanência vai depender da avaliação da Dilma. Ainda não conversamos sobre o assunto”, havia antecipado.

Fonte:Diario de Natal





Tags: