Dilma decide afastar petista dos Transportes, diz jornal

O governo acertou na segunda-feira o afastamento do diretor de Infraestrutura Rodoviária do Dnit (Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes), Hideraldo Caron, o único indicado pelo PT na direção do órgão comandado pelo PR desde o governo Lula. Em reunião do ministro Paulo Sérgio Passos (Transportes) com a presidente Dilma Rousseff, ficou acertado que ele …

19/07/2011 12:59



O governo acertou na segunda-feira o afastamento do diretor de Infraestrutura Rodoviária do Dnit (Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes), Hideraldo Caron, o único indicado pelo PT na direção do órgão comandado pelo PR desde o governo Lula. Em reunião do ministro Paulo Sérgio Passos (Transportes) com a presidente Dilma Rousseff, ficou acertado que ele fará uma lista com nomes técnicos para substituir os dirigentes afastados do ministério e do Dnit. A decisão de afastar Caron se soma à pressão do PR para tirá-lo do cargo. As informações são do jornal Folha de S.Paulo.

O PR considerou a saída de Caron “uma questão de honra”, já que outros nomes, indicados pela legenda, foram afastados após denúncias de corrupção. Caron é o responsável administrativo pelos aumentos nos valores de contratos de obras rodoviárias em andamento, cujo suposto descontrole na liberação de recursos foi criticado pela presidente. O Dnit tem sete cadeiras e é um órgão colegiado. As diretorias de Administração e Finanças e de Infraestrutura Aquaviária já estavam vagas antes da crise no órgão. Já o diretor-geral, Luiz Pagot, está em férias até o início de agosto, e, segundo o jornal, o Planalto espera que ele e Caron peçam demissão. Na segunda-feira, o governo publicou resolução que permite que um servidor técnico seja indicado para o lugar de Pagot enquanto o futuro diretor-geral do órgão não for sabatinado no Senado. O jornal O Estado de S. Paulo noticiou que, quando foi diretor-geral do Departamento Autônomo de Estradas de Rodagem (Daer) do Rio Grande do Sul, Caron teve irregularidades identificadas pelo Tribunal de Contas do Estado por três anos seguidos, de 1999 a 2001. Desde o julgamento das contas, entre 2004 e 2005, ele tenta se livrar de multas e ressarcimentos impostos pelo órgão, num total de R$ 255 mil.

Fonte:terra