Alta nos preços do boi gordo e da soja deve impulsionar negócios na Expointer 2011

Foi lançada nessa quarta, dia 27, a 34ª edição da Expointer, em Porto Alegre, Rio Grande do Sul. Uma das maiores feiras agropecuárias do país, o evento ocorre entre 27 de agosto e 4 de setembro, no Parque de Exposições do município de Esteio (RS). O lançamento aconteceu durante um almoço no cais do porto …

28/07/2011 11:15



Foi lançada nessa quarta, dia 27, a 34ª edição da Expointer, em Porto Alegre, Rio Grande do Sul. Uma das maiores feiras agropecuárias do país, o evento ocorre entre 27 de agosto e 4 de setembro, no Parque de Exposições do município de Esteio (RS). O lançamento aconteceu durante um almoço no cais do porto da capital gaúcha.

A expectativa é repetir as vendas do ano passado, impulsionadas pelo preço do boi gordo e da soja valorizada. Estima-se que o faturamento chegue aos R$ 14 milhões de 2010.

– Acredito que nós vamos fazer uma boa Expointer. Não estamos trabalhando na perspectiva de fazer a melhor Expointer de todos os tempos, nem de fazer aquela que mais comercializou. Isso será consequência de um trabalho que é feito fundamentalmente pelos produtores e pelos empreendedores. Nós seremos facilitadores disso e queremos fazer bem a nossa parte – garantiu o secretário da Agricultura do Rio Grande do Sul, Luiz Fernando Mainardi.

Quase seis mil animais foram inscritos para a Expointer 2011, com destaque para as raças zebuínas.

– Em relação aos zebuínos de corte, a representação é igual à do ano passasdo. Só que, neste ano, eles vêm com uma representação de gir leiteiro, que vem crescendo nos últimos anos. Com o gir leiteiro, o crescimento de zebus na Expointer será de 30% –afirmou o responsável pelas feiras e exposições, Honório Franco.

O setor de máquinas agrícolas também aposta na Expointer para se recuperar depois da queda nas vendas no primeiro semestre. No ano passado, as máquinas movimentaram R$ 827 milhões durante a Feira.

– Me animo a dizer que, no segundo semestre, nós vamos buscar o prejuízo que tivemos no primeiro semestre em função das brigas com a Argentina e da própria paralisação do PSI. Vamos fechar o ano com o mesmo valor do ano passado – acredita o presidente do Sindicato das Indústrias de Máquinas e Implementos Agrícolas no Rio Grande do Sul (Simers), Cláudio Bier.

Fonte: Portal do Agronegócio