Brasil poderá ter rede para análise de risco químico em alimentos

O Comitê Gestor da Programação (CGP) da Embrapa emitiu parecer favorável à proposta de se constituir uma rede brasileira para análise de riscos químicos em alimentos. A rede foi proposta pela Embrapa Gado de Leite e foi aprovada no Macroprograma 1 (MP1) da Embrapa, que contempla projetos enfocando grandes desafios nacionais em pesquisa. A proposta …

02/08/2011 16:35



O Comitê Gestor da Programação (CGP) da Embrapa emitiu parecer favorável à proposta de se constituir uma rede brasileira para análise de riscos químicos em alimentos. A rede foi proposta pela Embrapa Gado de Leite e foi aprovada no Macroprograma 1 (MP1) da Embrapa, que contempla projetos enfocando grandes desafios nacionais em pesquisa.

A proposta foi formulada pelo pesquisador Leônidas Passos Paixão e pelo analista Marcelo Bonnet. “Esta deverá ser a primeira rede no mundo para análise de risco químico em alimentos, permitindo monitorar resíduos e contaminantes químicos em alimentos, como pesticidas, drogas veterinárias, aflatoxinas, metais pesados, entre outros, que necessitam ser controlados ao longo de toda a cadeia produtiva”, diz Bonnet.

A expectativa é dar maior segurança à população a respeito dos alimentos consumidos nacionalmente ou exportados pelo país. “Desta forma, estaremos nos antecipando a eventuais barreiras internacionais, quase sempre de natureza protecionista, que possam comprometer as exportações da agroindústria nacional”, afirma.

Como é característica dos projetos do MP1 da Embrapa, a proposta se alinha a um grande desafio, que é defender internacionalmente a qualidade dos produtos da principal atividade econômica brasileira: o agronegócio. Um setor responsável por 37% dos empregos, 42% das exportações e 1/3 do PIB nacional.

A rede é ambiciosa e pretende focar toda a produção agrícola do país. Para isto contará, a princípio, com 29 instituições parceiras (16 unidades da Embrapa, seis ministérios, duas universidades além da Fundação Getúlio Vargas, Fiocruz, Inmetro, Confederação Nacional de Agricultura e Associação Brasileira da Indústria de Alimentos).

Segundo o parecer do CGP, o assunto é abrangente e pode tomar a dimensão de uma rede de pesquisa promissora. O documento conclui: “o projeto poderá contribuir de forma inovadora para o avanço do conhecimento científico e tecnológico do país, permitindo promover o acesso a alimentos mais seguros”.

Para que a proposição torne-se efetivamente um projeto, ela deverá passar por mais duas instâncias: a elaboração da pré-proposta e a proposta finalizada. A Embrapa Gado de Leite irá realizar workshops envolvendo as diversas instituições parceiras para fundamentar o trabalho. Segundo Leônidas, se tudo correr bem, em menos de dois anos a Embrapa Gado de Leite se tornará uma referência nacional para análise de riscos químicos na produção agroindustrial brasileira.

fonte: Portal do Agronegocio