BID investe R$ 100 mil em estudo para `Guia da Copa Segura`

O Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) vai investir R$ 100 mil para financiar o Guia da Copa Segura. O documento, a ser produzido pela ONG Fórum Brasileiro de Segurança Pública, pretende reunir boas práticas municipais que contribuam para a redução dos índices de criminalidade. A pesquisa já começa a ser feita nesta terça-feira, no Fórum …

09/08/2011 13:47



O Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) vai investir R$ 100 mil para financiar o Guia da Copa Segura. O documento, a ser produzido pela ONG Fórum Brasileiro de Segurança Pública, pretende reunir boas práticas municipais que contribuam para a redução dos índices de criminalidade. A pesquisa já começa a ser feita nesta terça-feira, no Fórum Sobre Segurança Cidadã, no Rio, com entrevistas a 16 secretários estaduais de segurança. O trabalho citará, ainda, projetos de prefeituras brasileiras e experiências internacionais. A previsão é que o guia fique pronto em três meses.

– O Brasil tem experiência em realizar grandes eventos, como o carnaval ou as finais de campeonatos de futebol. Para a Copa, vamos ouvir os secretários de segurança e identificar demandas, saber de que forma as prefeituras podem colaborar. Segurança não é uma atribuição estadual. Os estados detém as as polícias Militar e Civil, mas as prefeituras têm papel fundamental ao interditar ou não obras, conceder o habite-se, gerenciar do trânsito, promover projetos sociais etc – disse Renato Sérgio de Lima,

Secretário executivo do Fórum Brasileiro de Segurança Pública.

Entre os bons exemplos que deverão estar no guia, de acordo com Renato Sérgio, o destaque fica para o projeto Território de Paz, da prefeitura de Canoas, Rio Grande do Sul. Prefeito da cidade, Jairo Jorge (PT) explica que investimentos sociais e melhorias no policiamento foram concentrados no bairro Guajuviras, de 70 mil habitantes. O resultado é expressivo: o número de homicídios caiu 73%, passando de 19 casos no primeiro semestre de 2009 para cinco no mesmo período de 2011.

– Policiamento comunitário, inteligência e projetos sociais formam o tripé do projeto, que tem a capacidade de ser replicado em outros locais, mesmo em grandes cidades como o Rio de Janeiro – avaliou Jorge.

Os investimentos sociais em comunidades pacificadas, feitos pela prefeitura depois da ação policial comandada pelo estado, também devem constar no Guia financiado pelo BID.

– A pacificação é um novo conceito que recuperou o espaço público para a cidade – avaliou comandante da PM do Rio, coronel Mário Sérgio Duarte, para quem o Rio também é um bom exemplo de integração entre o governo do estado, prefeituras, governo federal.

Já o representante do BID no Brasil, Fernando Carrillo-Flórez, ressaltou que é necessário garantir que os gastos públicos tenham eficiência, ou seja, tragam resultados.

– Os gastos na América Latina em segurança são crescentes, mas a redução da criminalidade não acompanha esses investimentos – disse Carrillo-Flórez.

O ex-prefeito de Bogotá, Antanas Mockus, se disse bastante otimista quanto à capacidade do Rio de sediar tanto as finais da Copa de 2014 como os Jogos Olímpicos de 2016. Ele afirma que é necessário preparar a casa para esses eventos, da mesma forma como as pessoas arrumam suas casas em situações especiais. Mas alertou que a segurança pública é mais do que apenas a ação da polícia:

– É preciso entender que os esforços policiais, inclusive as sansões legais como a prisão, devem fazer parte de um processo de inclusão social.

Fonte: O Globo