Brasil tem muito para crescer na produção de Biomassa

O presidente da Associação Brasileira das Indústrias de Biomassa, Celso Oliveira, atribui esse sub aproveitamento à falta de informação dos produtores e à falta de incentivo por parte do governo. “O Brasil está descobrindo agora esse setor, por isso a produção ainda é tímida. A partir do momento que os empresários descobrirem as vantagens do …

13/08/2011 11:06



O presidente da Associação Brasileira das Indústrias de Biomassa, Celso Oliveira, atribui esse sub aproveitamento à falta de informação dos produtores e à falta de incentivo por parte do governo. “O Brasil está descobrindo agora esse setor, por isso a produção ainda é tímida. A partir do momento que os empresários descobrirem as vantagens do uso da biomassa haverá crescimento”, afirma.
A Biomassa pode ser feita a partir de resíduos agrícolas, industriais e florestais. No Brasil o bagaço, palha e colmo da cana-de-açúcar são os resíduos agrícolas mais difundidos, com mais de 324 mil toneladas produzidas por ano, seguida dos resíduos da soja, com mais de 95 mil toneladas. Esses detritos agrícolas e também os florestais como serragem, casca e descarte de toras podem ser utilizados na confecção de bio-woodpellets, que é um combustível sólido eficiente para a geração de energia térmica e aquecimento industrial. Além de limpo, esse recurso tem rentabilidade tripla com a comercialização, geração de energia elétrica e créditos de carbono.
Pellets, briquetes, biomassa e carvão vegetal são alguns dos temas que serão abordados durante o Seminário de Atualização no Uso de Biomassa para Geração de Energia. São cinco palestras ministradas por especialistas na área que acontecem na tarde do dia 18 de agosto durante o 6º Congresso Internacional de Bioenergia.
Paralelamente acontece a BioTech Fair 2011, que será no Pavilhão de Exposição Horácio Sabino Coimbra, na FIEP e conta com 60 expositores. O evento reunirá empresas de tecnologias na produção de energia renovável para trocar informações e conhecimento, estimular negócios e parcerias e fomentar o crescimento do setor.

fonte: Portal do Agronegocio