Assembleia firma parceria com MPE no combate à dengue

A Assembleia Legislativa será parceira do Ministério Público Estadual no programa integrado de combate à dengue. Objetivo é conscientizar a população sobre os cuidados que deve ter para combater a proliferação do mosquito Aedes Aegypti, transmissor da dengue, doença que faz milhares de vítimas todos os anos. A parceria foi anunciada na manhã desta segunda-feira …

30/08/2011 10:36



A Assembleia Legislativa será parceira do Ministério Público Estadual no programa integrado de combate à dengue. Objetivo é conscientizar a população sobre os cuidados que deve ter para combater a proliferação do mosquito Aedes Aegypti, transmissor da dengue, doença que faz milhares de vítimas todos os anos. A parceria foi anunciada na manhã desta segunda-feira (29), na presidência da AL, com o promotor de Justiça e Cidadania, Alexandre Guedes e o deputado José Riva (PP), presidente do Poder Legislativo.

Ficou agendada uma reunião ampliada com os poderes participantes da iniciativa para o próximo dia 6, às 9:30, na sede da Promotoria de Justiça, no Centro Político Administrativo, em Cuiabá. “Será uma reunião de trabalho para estabelecer os programas que serão executados no combate à Dengue em Mato Grosso”, explicou o promotor. A Secretaria Estadual de Educação – Seduc também será convidada a repercutir o programa nas escolas, fazendo com que a ação abranja maior número de pessoas.

A expectativa é que a soma de esforços, segundo Alexandre Guedes, facilite a inserção de um programa eficiente que envolva também, além da mídia, as comunidades, associações de bairros e prefeituras. “O poder público precisa estar articulado no combate e prevenção à dengue”.

Ele lembrou que em 2010, 37 mil casos foram registrados. E neste ano, sete mil pessoas já foram infectadas pelo mosquito. A intenção é a de promover um programa continuado antes do início das chuvas, quando aumenta a proliferação do Aedes Aegypti e, consequentemente, o número de vítimas da doença.

“Dados apontam que houve uma redução nos casos de dengue. Mas, não podemos relaxar porque esse índice pode voltar a subir”, alertou o promotor. A regra básica nesse combate é não deixar água, independente da situação, parada em qualquer tipo de recipiente.

SINTOMAS – Indivíduo com doença febril aguda, com duração máxima de sete dias, acompanhada de pelo menos dois dos seguintes sintomas: cefaléia, dor retroorbitária, mialgia, artralgia, prostração, exantema, entre outros; e que esteve em área de transmissão de dengue ou com presença do vetor Aedes aegypti nos últimos 15 dias.
PRINCIPAIS SINAIS DE ALARME – Dor abdominal, vômitos persistentes, aumento repentino do hematócrito, queda abrupta de plaquetas, sangramentos espontâneos ou não; tontura; hipotensão e outros sinais de desidratação.

QUEIMADAS – Em conjunto com a Assembleia, o MPE também tem envidado esforços no combate às queimadas, em execução, o programa “Mato Grosso Unido Contra as Queimadas” já apresenta números positivos. Para reforçar essas ações, Riva criou a Lei nº 9.584, que define procedimentos, proibições, estabelece regras de execução e medidas de precaução a serem obedecidas quando do emprego do fogo em práticas agrícolas, pastoris e florestais, e dá outras providências.

Também é autor da Lei 9.391, de junho de 2010, que cria o Índice de Desenvolvimento Social dos Municípios de Mato Grosso (IDS-M). Objetivo é pesquisar e divulgar os indicadores de desenvolvimento social dos municípios, levando em consideração, além dos critérios de renda, educação, saúde, também o índice ecológico. Tendo como base o acompanhamento dos focos de incêndios florestais e queimadas nos municípios. “Essa lei mede a real qualidade de vida do cidadão”.

Fonte:AL/MT