Confiança do setor de serviços cai pelo 3ª mês seguido

Pela terceira vez consecutiva, a confiança dos empresários do setor de serviços voltou a mostrar humor negativo. É o que informou hoje a Fundação Getúlio Vargas (FGV) ao anunciar queda de 0,4% para o Índice de Confiança de Serviços (ICS) em outubro, taxa idêntica à apurada em setembro. Em uma escala de até 200 pontos, …

07/11/2011 09:22



Pela terceira vez consecutiva, a confiança dos empresários do setor de serviços voltou a mostrar humor negativo. É o que informou hoje a Fundação Getúlio Vargas (FGV) ao anunciar queda de 0,4% para o Índice de Confiança de Serviços (ICS) em outubro, taxa idêntica à apurada em setembro.

Em uma escala de até 200 pontos, em que resultados abaixo de 100 pontos são considerados negativos, o ICS caiu de 130,3 pontos para 129,7 pontos, de setembro para outubro. Com a terceira queda consecutiva, o índice acumula perda de 2,2% entre julho e outubro, e se posiciona 1,9% abaixo de outubro do ano passado. Para a FGV, o resultado confirma o quadro de suave desaceleração do setor.

Assim como em setembro, a queda do ICS em outubro foi influenciada por perspectivas menos favoráveis. O ICS é dividido em dois subindicadores. O Índice da Situação Atual – S (ISA-S) mostrou alta de 0,9% em outubro após subir 1,4% em setembro. Já o Índice de Expectativas – S (IE-S) caiu 1,5% no mês passado, após recuar 1,8% em setembro. Foi o menor nível para as expectativas desde dezembro de 2010.

Nas respostas relacionadas ao futuro, houve uma piora nas perspectivas dos empresários para os negócios nos próximos meses. Em 2.702 empresas pesquisadas, a fatia de companhias entrevistadas que preveem melhora nos negócios caiu de 48,9% para 45,2% entre setembro e outubro.

Porém, a demanda atual contribuiu para que o indicador não caísse de forma mais intensa em outubro. Das empresas consultadas, a parcela de pesquisadas que avaliam a demanda atual como forte subiu de 23,3% em setembro para 26,8% em outubro.

A pesquisa para o ICS ocorreu entre os dias 3 e 31 de outubro. O total de empresas consultadas era responsável por 749 mil pessoas ocupadas no mercado de trabalho ao final de 2008, segundo informações apuradas pela FGV.

Fonte:Agencia Estado