Congresso Brasileiro de Mandioca

A cerimônia contou com a presença do ministro Afonso Florence, de Desenvolvimento Agrário (MDA), que ministrou a palestra inaugural, do governador Teotônio Vilela Filho, do secretário da Agricultura, Irrigação e Reforma Agrária da Bahia, Eduardo Salles, e do chefe geral da Embrapa Mandioca e Fruticultura (Cruz das Almas, BA) Domingo Haroldo Reinhardt, entre outras autoridades. …

20/11/2011 20:16



A cerimônia contou com a presença do ministro Afonso Florence, de Desenvolvimento Agrário (MDA), que ministrou a palestra inaugural, do governador Teotônio Vilela Filho, do secretário da Agricultura, Irrigação e Reforma Agrária da Bahia, Eduardo Salles, e do chefe geral da Embrapa Mandioca e Fruticultura (Cruz das Almas, BA) Domingo Haroldo Reinhardt, entre outras autoridades.
“A mandioca sofre a concorrência de produtos que não são brasileiros e temos o desafio de propor uma alimentação sem agrotóxicos, que é a forma que o agricultor familiar produz, e com forte valor social”, afirmou Eloísio Lopes Júnior, presidente do congresso. Sílvio Bicudo, presidente da Sociedade Brasileira de Mandioca, concordou, dizendo que a mandioca é a “base alimentar da população brasileira e tem importância social, econômica e cultural para todo o país”.
O ministro Afonso Florence reiterou o papel da Embrapa na pesquisa sobre a mandioca. “A Embrapa é uma instituição conceituadíssima e está, com a recente criação da Diretoria de Transferência de Tecnologia, ainda mais apta a fazer com que os resultados da pesquisa cheguem ao produtor”, afirmou. “É preciso garantir mais produtividade por área para que o excedente da produção fique mesmo com o produtor. Vim me comprometer com este desafio”, salientou. No final, foram homenageados, por serviços prestados à cultura da mandioca, os pesquisadores Joselito Motta e Carlos Estevão Cardoso.
Programação
A Embrapa Mandioca e Fruticultura tem presença marcante na programação científica do evento, incluindo a apresentação de trabalhos técnicos orais e em forma de pôster. Ontem (17), o painel “Melhoramento da mandioca: avanços, limites e perspectivas”, cujo palestrante foi Hernan Ceballos, do Centro Internacional de Agricultura Tropical (Ciat) da Colômbia, teve o pesquisador Vanderlei da Silva Santos (Embrapa Mandioca e Fruticultura) como debatedor e a pesquisadora Adriane Leite do Amaral (Embrapa Tabuleiros Costeiros) como moderadora.
Em seguida, a mesa – redonda “A mandioca na gastronomia: situação atual e cenários futuros” foi moderada pelo pesquisador Joselito Motta. Pela tarde, a pesquisadora Cláudia Fortes modera a conferência “Avanços biotecnológicos”. Hoje (18), o pesquisador Carlos Estevão Cardoso apresenta a conferência “Tendências do consumo de alimentos no Brasil e oportunidades para a cultura da mandioca” enquanto a pesquisadora Luciana Alves debate no painel “Inovações no setor de mandiocultura” e Eduardo Andrade é debatedor na mesa-redonda “Fatores bióticos (manejo e controle de pragas e doenças)”. O sábado será dedicado a uma visita técnica a agroindústrias e unidades produtivas de agricultura familiar no município de Arapiraca.
Feira da Mandioca

A Embrapa Mandioca e Fruticultura (Cruz das Almas, BA), a Embrapa Tabuleiros Costeiros (Aracaju, SE) e a Embrapa Semiárido (Petrolina, PE), unidades da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), vinculada ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), estão presentes num estande conjunto, onde mostram diversas tecnologias em mandioca.
A Embrapa Mandioca e Fruticultura e a Embrapa Tabuleiros Costeiros estão expondo, também, variedades como Kiriris, Verdinha, Caipirinha e Tapioqueira, específicas para o semiárido nordestino, e recomendadas ou desenvolvidas em parceria. A Embrapa Tabuleiros Costeiros divulga informações sobre o Sistema Agropecuário Sustentável (SAS), que visa integrar lavoura e pecuária com tecnologia, reduzindo custos de produção, proporcionando mais renda ao produtor, melhorando a qualidade dos animais criados e preservando a terra. A mandioca é uma das culturas agrícolas que podem ser usadas no sistema.
Já a Embrapa Semiárido apresenta diversas formas de aproveitamento da parte aérea da mandioca na alimentação animal e a Embrapa Mandioca e Fruticultura expõe tecnologias como a micropropagação, que permite a produção de mudas de mandioca in vitro, além de disponibilizar publicações e promover a degustação de beijus coloridos, em que a água é substituída pela polpa de frutas ou extrato de hortaliças.

Fonte:Portaldoagronegócio