Vice-presidente destaca instalação do GGI-F e diz levar exemplo a demais Estados fronteiriços

O vice-presidente da República, Michel Temer destacou o exemplo do governador de Mato Grosso, Silval Barbosa, quanto a instalação do Gabinete de Gestão Integrada (GGI-F), uma iniciativa que o próprio vice-presidente levará para os demais Estados de fronteira para que as ações de enfrentamento ao crime organizado tenham êxito. A afirmativa aconteceu durante a solenidade de assinatura …

06/12/2011 11:05



O vice-presidente da República, Michel Temer destacou o exemplo do governador de Mato Grosso, Silval Barbosa, quanto a instalação do Gabinete de Gestão Integrada (GGI-F), uma iniciativa que o próprio vice-presidente levará para os demais Estados de fronteira para que as ações de enfrentamento ao crime organizado tenham êxito. A afirmativa aconteceu durante a solenidade de assinatura do decreto de instalação do GGI-F, na tarde dessa segunda-feira (05.12), no município de Cáceres (a 225 Km a Oeste de Cuiabá), na presença de diversas autoridades. “Esse é um trabalho excepcional que permitiu que Silval Barbosa criasse o GGI-F”.

De acordo com Michel Temer hoje no Brasil existe uma nova realidade quanto as ações de combate ao crime organizado. O vice-presidente disse estar viajando para diversas cidades, inclusive fora do país e tem verificado o prestígio do Brasil, principalmente pelas ações de segurança pública que estão sendo desenvolvidas. Temer relatou as viagens que fez nos últimos dias pelas regiões fronteiriças do Brasil que também integram a Operação Ágata, desencadeada pelo Governo Federal em parceria com os Estados, como forma de prevenção ao crime organizado.

O vice-presidente visitou Amazonas, Mato Grosso do Sul, Mato Grosso, faltando ainda Rondônia, mas destacou que os resultados da Operação têm sido positivos. “Esta integração revela o novo tempo que o nosso país está vivendo. Primeiro realizamos a Operação Ágata, que é de prevenção. Logo em seguida é desencadeada a Operação Sentinela, do Ministério da Defesa, que é repressiva. Ambas atuam em conjunto para combater o crime organizado”.

A integração faz parte do cotidiano atual brasileiro, do planejamento entre os Governos Estadual e Federal, onde o vice-presidente se referia ao plano do Governo de Mato Grosso. “A interação revela o novo tempo tanto que o governador Silval Barbosa está lançando esse plano de Gestão Integrada (GGI-F)”, disse Temer. Ele revelou ainda que os municípios que integram a faixa de fronteira pedem a mesma coisa que o governador mato-grossense solicitou: a permanência das tropas na área de fronteira. “É um trabalho que tem surtido grandes resultados. É um trabalho extraordinário”, complementou o vice-presidente ao ressaltar que para ele é a presença do Governo Federal, juntamente com as forças da segurança que ajudarão a fortalecer e ocupar definitivamente a ação nas fronteiras.

BASE AÉREA E DEMANDAS

A importância da instalação de uma base aérea em Mato Grosso, na cidade de Cáceres, também foi outro ponto destacado pelo vice-presidente da República. Uma base, segundo ele, proporcional ao tamanho de Mato Grosso, um Estado que possui 700 quilômetros de fronteira seca. “O que se quer é combater o crime organizado”, reiterou.

Para que, em conjunto com a base aérea, o combate ao narcotráfico e às demais ações vinculadas ao crime organizado sejam combatidos de forma mais eficaz e intensiva, o governador Silval Barbosa encaminhou diversas demandas ao vice-presidente. Algumas delas são a regularização fundiária em municípios fronteiriços, a autorização de concurso para a contratação de mais efetivo para a Polícia Federal e Rodoviária Federal, Gefron, compra de mais veículos e barcos para a atuação tanto na terra como na água e a construção de um presídio federal.

Todas essas demandas atenderão as forças integradas que trabalharão em conjunto no GGI-F e nas demais ações de fronteira, já que, segundo o governador o Gabinete de Gestão Integrada melhora as estruturas, as instituições organizadas como forma de estabelecimento do plano de enfrentamento ao crime e melhora o aparato de segurança no Estado.

O ministro da Defesa, Celso Amorim, falou da importância do trabalho em conjunto com outros países que fazem fronteira com o Brasil, como a Bolívia, para buscar alternativas econômicas, já que em alguns deles a folha da coca é vista como medicina alternativa. “A atuação na fronteira envolve todos os países fronteiriços. Estamos em diálogo, pois o Brasil, depois da Rússia é o país que tem mais extensão de fronteira, cerca de 17 mil quilômetros. Ações como as que vimos aqui em Mato Grosso, como o Gabinete de Gestão integrada tem efeito imediato, mas além disso mostra que o Estado brasileiro vai agir”, finalizou o ministro da Defesa.

Fonte:Secom/MT