Inflação em SP desacelera com alimentos e educação

O Índice de Preços ao Consumidor (IPC) do município de São Paulo subiu 0,07% na terceira quadrissemana de fevereiro, ante acréscimo de 0,24% na segunda quadrissemana, informou nesta segunda-feira a Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe). O grupo Alimentação, que acentuou a queda de preços em relação ao levantamento anterior, e o grupo educação, com …

27/02/2012 09:22



O Índice de Preços ao Consumidor (IPC) do município de São Paulo subiu 0,07% na terceira quadrissemana de fevereiro, ante acréscimo de 0,24% na segunda quadrissemana, informou nesta segunda-feira a Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe). O grupo Alimentação, que acentuou a queda de preços em relação ao levantamento anterior, e o grupo educação, com alta de preços bem menor que a da segunda quadrissemana, puxaram a desaceleração do IPC-Fipe.

Na terceira quadrissemana de janeiro, o IPC-Fipe havia registrado alta de 0,68%. O IPC-Fipe mede as variações quadrissemanais dos preços às famílias paulistanas com renda mensal entre um e dez salários mínimos.

Os alimentos tiveram deflação de 0,88 %, ante queda de 0,67% na segunda quadrissemana de fevereiro. Com isso, o grupo teve impacto negativo de 284,06% sobre o IPC-Fipe. Já os preços do grupo educação registraram alta de 1,57%, ante 3,70% na segunda quadrissemana, e tiveram influência positiva de 80,71% sobre o indicador.

Entre os preços que continuaram em alta, a maior contribuição positiva veio do grupo habitação, que teve influência de 188,14% no IPC-Fipe, ao subir 0,43% no último levantamento. Ainda assim, a elevação foi menor que a de 0,46% da segunda quadrissemana.

O único grupo a registrar aceleração da alta de preços foi Saúde, com inflação de 0,76%, comparado a avanço de 0,68% na pesquisa anterior. Esse item contribuiu com 81,92% para o índice geral. O IPC-Fipe mede as variações quadrissemanais dos preços às famílias paulistanas com renda mensal entre um e dez salários mínimos.

Fonte:Terra