Lançada campanha Mato Grosso Respeitando a Mulher

04/03/2012 12:43



Mulher carbonizada dentro de forno de pizzaria. Mulher arrastada pelos cabelos e insultada por palavras de baixo calão pelo próprio marido. Essas foram as notícias que receberam destaque nos jornais de Cuiabá, nos últimos dias. Com o objetivo de mudar essa cultura de violência doméstica que ainda insiste em permanecer em alguns lares, a Sala da Mulher da Assembleia Legislativa lançou na tarde da última quinta-feira (01), a campanha “Mato Grosso Respeitando a Mulher”, semana em que se comemora o Dia Internacional da Mulher (8 de março).

A coordenadora da Sala da Mulher, Janete Riva, juntamente com autoridades e políticos do estado deixaram claro que querem mudanças urgentes, mas para que isso ocorra, cada um deve fazer a sua parte. A mobilização foi realizada no auditório Milton Figueiredo da Assembleia Legislativa, com a presença de todos os parceiros e apoiadores da campanha 2012.

“Estatísticas comprovam que quando uma mulher chega a denunciar o agressor é porque ela está no limite, já sofreu muito. Essa campanha foi lançada com intuito de chamar a atenção da sociedade e dos governantes, é preciso extinguir todo e qualquer tipo de agressão doméstica”, alertou Janete, ao lembrar que a campanha foi divulgada nos 141 municípios de Mato Grosso. Pelo menos 40 mil camisetas, destacando a campanha, começaram a ser distribuídas.

Em apoio à campanha liderada por Janete Riva, o presidente da Casa, deputado José Riva (PSD), lembrou que a AL/MT é um Poder que promove políticas públicas em favor das mulheres, especialmente a inclusão da mulher nos postos de trabalho.

“Elas ocupam 50% dos cargos nesta Casa e têm a mesma competência masculina, muitas até nos superam”, declarou o presidente, ao lembrar que a Sala da Mulher se mostrou exemplo na campanha de luta contra a pedofilia e, certamente, irá se superar nesta. “Ao homem cabe respeitar a mulher. Vamos defender essa causa”, completou.

Durante a mobilização foi apresentado o documentário “Mudança”, que mostrou que muitos homens dizem que agridem pelo fato de estarem sob efeito de álcool ou drogas. O fato constatado, entretanto, é esses homens, segundo profissionais que contribuíram com a criação do documentário, carregam desde a infância a violência dentro de si.

Outra apresentação que chamou bastante atenção dos participantes foi o vídeo da próxima campanha que será lançada neste fim de semana, com o mote “Eduque. Denuncie. Disque 180. Só assim vamos mudar o futuro de muitas mulheres”. A Secretaria de Comunicação da Casa criou o V.T especialmente para a campanha de combate à violência de 2012.

O secretário de comunicação da AL/MT, Fábio Monteiro, lembrou que só é possível promover a mudança do homem por meio de sua consciência interna e acrescentou que esse é um dos intuitos da campanha que será divulgada em todo o estado. “A campanha foi uma maneira que a Sala da Mulher e seus parceiros encontraram para alertar e sensibilizar a sociedade sobre a gravidade do problema”, destacou o secretário.

A promotora de Justiça Lindinalva Dalla Costa e a juíza da 1ª Vara de Violência Contra a Mulher da Capital, Ana Cristina Mendes, destacaram que a cultura de paz contra a agressão doméstica precisa ser desenvolvida em todos os lares. “Precisamos nos conscientizar que enquanto o lar, para algumas pessoas, é o lugar mais aconchegante e feliz, para outras é o lugar dos horrores. Conheço mulheres que ficavam até tarde no trabalho porque tinham medo de voltar pra casa”, declarou a juíza. Para a promotora Lindinalva, a campanha vai contribuir para a mudança de pensamento e atitude do telespectador.

“A sociedade evoluiu muito no que diz respeito ao combate à violência de gênero. Lembro-me que antigamente a mulher não denunciava o agressor, não existia uma lei que as defendessem. É preciso acabar de vez com qualquer tipo de discriminação, a começar por chavões, como “a mulher quanto mais apanha, mais gosta”. Cada mulher tem que saber o valor de ser mulher”, defendeu a promotora.

Lei Maria da Penha – Mato Grosso é considerado o estado brasileiro com maior aplicabilidade da Lei Maria da Penha. Embora o número de denúncias tenha aumentado a violência não diminuiu. A campanha “Mato Grosso Respeitando a Mulher” leva em consideração o mapa da violência divulgado pelo Ministério da Justiça em 2011, que aponta aumento nos homicídios de mulheres no Brasil, passando de 3.503 em 1998, para 4.023 em 2008. Nesse período, foram mortas 41.968 mulheres no país.

PROGRAMAÇÃO DO DIA INTERNCIONAL DO DIA DA MULHER
08 de março
-9 horas – no Salão Clóves Vetoratto do Palácio Paiaguás: acontece palestra, teatro e o lançamento da cartilha contendo a Lei Maria da Penha.
-15 horas – no Auditório Milton Figueiredo da AL/MT: Mesa Redonda para discutir políticas públicas e a necessidade delas nas questões de gênero.
-17 horas – os participantes da mesa redonda farão caminhada da sede da AL até o Shopping Pantanal. Paralelamente, serão realizadas intervenções urbanas com grafiteiros da Central Única das Favelas (Cufa). O chamado Teatro Invisível acontecerá nos principais terminais de ônibus da capital. Todos abordando o combate à violência.

Fonte:Al/MT





Tags: